Jihadista será extraditado para Portugal contra vontade do governo

Jihadista será extraditado para Portugal contra vontade do governo
Nuno Tiago Pinto 23 de junho

Durante dois anos o Ministério dos Negócios Estrangeiros omitiu informação à Procuradoria-Geral da República sobre a detenção de Nero Saraiva no Iraque e deu dados incorretos à embaixada iraquiana em Lisboa. Após um conjunto de questões da SÁBADO, o gabinete de Lucília Gago revela que irá avançar com o pedido de extradição do terrorista português, que está a ser julgado e enfrenta a pena de morte, contra a política definida pelo Governo. O Presidente da República diz que os cidadãos nacionais detidos em campos na Síria que queiram voltar a Portugal devem ter apoio adequado do Estado

A Procuradoria-Geral da República (PGR) está a organizar o pedido de extradição do terrorista português do Estado Islâmico, Nero Saraiva, detido há dois anos no Iraque. A informação foi dada à SÁBADO pelo gabinete de Lucília Gago em resposta a um conjunto de 10 perguntas relacionadas com a situação do jihadista português e com a forma como o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) omitiu informações à PGR e à própria embaixada do Iraque nos últimos dois anos, numa tentativa de evitar o cumprimento do Mandado de Detenção Internacional (MDI) emitido pelo Ministério Público (MP).

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais