O gestor que denunciou a mulher do banqueiro João Rendeiro…

O gestor que denunciou a mulher do banqueiro João Rendeiro…
António José Vilela 10 de janeiro

...e ainda um antigo dono da Vista Alegre, um sócio do grupo Vila Galé e o filho do construtor José Guilherme. Todos tinham milhões na Suíça.

A primeira grande acção no terreno para acabar com o esquema de fraude fiscal conhecido como caso Monte Branco falhou um alvo que os investigadores consideravam prioritário: a prisão do gestor de fortunas Ricardo Arcos Castro, então com 44 anos, nascido na Suíça (e também com nacionalidade espanhola), e que vivia parte do ano em Portugal, num condomínio no concelho de Cascais. No dia em que João Rendeiro voltou ao tribunal na África do Sul, recorde a investigação sobre as histórias confidenciais do processo Monte Branco, publicado originalmente na edição 649, de 4 de outubro de 2016.

O mandado de detenção foi assinado pelo juiz Carlos Alexandre, mas o antigo quadro da Union Bank Switzerland AG (UBS) escapou à operação de 17 de Maio de 2012 montada pelo procurador Rosário Teixeira e pelo inspector tributário Paulo Silva. Às 20h10 da noite anterior, Ricardo Arcos apanhara o voo TP942 da TAP com destino a Genebra e só regressaria a Portugal três dias depois, num outro voo da TAP.

Com o caso Monte Branco a dominar já as notícias nos media (falava-se de uma gigantesca fraude fiscal de 1.000 milhões de euros), as autoridades portuguesas prenderam o antigo cambista Francisco Canas e os administradores e sócios da empresa Akoya, Michel Canals e Nicolas Figueiredo, mas demoraram vários dias a localizar Ricardo Arcos e a interrogá-lo. Isso só sucedeu a 22 de Maio nas instalações do Tribunal Central de Instrução Criminal.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais