600 euros por um quarto? Universitários asfixiados por rendas "incomportáveis"

A.R.M. 11 de setembro de 2018

600 euros por um quarto, sem despesas e sem contratos? Sim, existe em Portugal - e é cada vez mais comum. A crise imobiliária em Portugal está a ser sentida em particular pelos estudantes universitários, que se deparam nos grandes centros universitários com pouca oferta pública a preços elevados - até mesmo por um quarto.

Não é novidade: as rendas em Portugal, especialmente nas grandes cidades, são excessivas. Num país onde o salário mínimo é de 580 euros e o médio é de 846 euros, a renda média em Lisboa ronda os 830 euros, de acordo com a consultora imobiliária CBRE, revelando que o valor do arrendamento em Lisboa subiu 23% de 2016 para 2017. Contudo, a crise imobiliária em Portugal está a ser sentida em particular pelos estudantes universitários, que se deparam nos grandes centros universitários com pouca oferta  a preços elevados - até mesmo por um quarto.

De acordo com dados recolhidos pela Federação Académica do Porto (FAP) e pela Federação Académica de Lisboa (FAL), arrendar um quarto numa casa particular em Lisboa custa, em média, 450 euros – mais do dobro do que custa em Braga, onde os valores rondam os 200 euros. Na Invicta o preço situa-se na média dos 275 euros mensais. Contudo, ambas federações garantem que já é comum neste ano lectivo arrendar quartos a 550 e 600 euros nas duas principais cidades.

"Estamos a falar de preços na cidade do Porto que rondam os 250 a 300 euros por mês, portanto é metade do salário mínimo nacional e são valores absolutamente incomportáveis para a típica família portuguesa", observou o presidente da FAP, João Pedro Videira, lamentando que a "maior fatia do orçamento" dum estudante universitário no Porto seja gasto no alojamento. O custo total mensal de um universitário no Porto, explicou, ronda entre os 700 e os 900 euros mensais, atendendo a todos os gastos para a frequência do ensino superior, designadamente propinas, alojamento, alimentação, material escolar e livros.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais