Ex-membros de grupos neonazis são dirigentes do Chega

Ex-membros de grupos neonazis são dirigentes do Chega
Alexandre R. Malhado 16 de janeiro de 2020

Há membros dos órgãos sociais do Chega que estiveram em partidos de extrema-direita e movimentos neonazis. E até estão a chegar centenas de militantes de extrema-direita.

Peniche, 26 de abril de 2014. Durante uma saída precária da prisão de Alcoentre, onde cumpria uma pena de 10 anos, Mário Machado juntou-se a cerca de 50 figuras da extrema-direita portuguesa para constituir o Nova Ordem Social (NOS), o movimento neonazi que viria a liderar. E que chegou a ser mencionado num relatório da Europol sobre Portugal. Oito meses depois, Luís Filipe Graça, na qua-lidade de ex-membro do Conselho Nacional do Partido Nacional Renovador (PNR), viria a ser anunciado no primeiro site oficial do movimento como líder do núcleo de trabalho de Cascais, que tinha como objetivo a recolha de assinatura para formação de um partido. Foi a primeira formação da Nova Ordem Social, que viria a mudar ao longo dos meses após desentendimentos internos. Hoje em dia, Graça é presidente da Mesa da Convenção do partido Chega – e não é o único dentro do partido de André Ventura oriundo de movimentos e partidos de extrema-direita.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais