PSD volta aos contratos de exploração de lítio: "cheira a esturro"

Lusa 06 de novembro de 2019
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 9 a 15 de junho
As mais lidas

O PS diz que recusa receber "banhos de ética" dos sociais-democratas nesta matéria. Hugo Pires acusou o PSD de fazer "oposição com pouco conteúdo e muita demagogia".

O PSD considerou hoje que o negócio do contrato de exploração de lítio em Montalegre "cheira a esturro", com o PS a recusar receber "banhos de ética" dos sociais-democratas nesta matéria.

Parlamento Assembleia da República
Parlamento Assembleia da República
Menu de luxo na Assembleia da República
Assembleia da República
Parlamento Assembleia da República
Parlamento Assembleia da República
Menu de luxo na Assembleia da República
Assembleia da República
Numa declaração política na Assembleia da República, o deputado do PSD Carlos Peixoto insistiu no tema do lítio, que já tinha marcado a intervenção do presidente do PSD, Rui Rio, no debate do programa do Governo na semana passada.

Para o deputado, este tema faz regressar "as incertezas, inquietações e enigmas dos grandes negócios dos governos socialistas" entre 2005 e 2011, referindo-se de forma implícita aos executivos liderados por José Sócrates.

Carlos Peixoto assegurou que não estava a fazer juízos judiciais ou "julgamentos de tabacaria", mas considerou que o parlamento não pode ficar à margem de "uma grande rebaldaria", uma vez que está em causa uma adjudicação que vincula o Estado por 20 anos.

Entre as "esquisitas coincidências" que apontou no negócio, o deputado do PSD acusou de "duplicidade de critérios" o secretário de Estado João Galamba e o ministro do Ambiente Matos Fernandes por darem luz verde à concessão em Montalegre sem estudo de impacto ambiental, quando não o tinham feito por essa mesma razão na Covilhã.

O deputado realçou ainda como estranho que "um consultor informal da empresa" concessionária seja um ex-secretário de Estado socialista e que o chefe de gabinete desse antigo governante seja o atual chefe de gabinete do ministro Siza Vieira.

"Todo este acidentado negócio pode ter sido feito sem as maquinações e promiscuidades já conhecidas noutros casos, mas lá que cheira a esturro, lá isso cheira", afirmou.

Na resposta, o deputado e vice-presidente da bancada do PS Hugo Pires acusou o PSD de, devido à proximidade das eleições internas, fazer "oposição com pouco conteúdo e muita demagogia".

"Uma coisa quero dizer-lhe olhos nos olhos, nós não recebemos banhos de ética do PSD", afirmou, apontando que um dos sócios da empresa concessionária Lusorecursos foi dirigente do PSD quando Rio era primeiro vice-presidente do partido.

Segundo Hugo Pires esclareceu posteriormente à comunicação social, António Marques, um dos sócios da empresa que ganhou a concessão, integrou a Comissão Política Nacional da antiga líder do PSD Manuela Ferreira Leite, quando Rui Rio era seu primeiro 'vice', e está atualmente acusado de vários crimes.

De acordo com a RTP, que tem noticiado este caso, António Marques e Ricardo Pinheiro eram sócios quando ganharam direito à concessão através da empresa Lusorecursos Lda. Mas três dias antes da assinatura do contrato, Ricardo Pinheiro criou uma nova empresa e foi com ela que ganhou a licença para explorar lítio.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais