Jovens revelam esquema usado por Andrew Tate para recrutar mulheres

Jovens revelam esquema usado por Andrew Tate para recrutar mulheres
Márcia Sobral 20 de janeiro
As mais lidas

Muitas eram menores, tinham contas privadas e contam que tudo começava com o envio de mensagens no Instagram com "emojis aleatórios".

Tinha uma conta privada, apenas 200 seguidores e encontrava-se a estudar num colégio privado. Daria Gusa, na altura com 16 anos, foi uma das jovens abordadas por Andrew Tate, vinte anos mais velho, através das redes sociais.

Redes Sociais / Twitter
A mensagem dizia apenas "menina romena" e vinha acompanhada de alguns "emojis sedutores", mas agora esta jovem suspeita que fizesse parte de um padrão usado pelo influencer.

Em declarações à BBC, Daria Gusa explica que, no momento em que foi contactada, Andrew Tate saberia onde ela estudava "porque tinha o nome do colégio na biografia". A mensagem enviada a Daria ficou sempre sem resposta, até porque a jovem romena rapidamente percebeu que a mesma tinha sido mandada a outras colegas.

"Acho que ele estava apenas a tentar encontrar raparigas que fossem o mais inocentes e ingénuas possível", explica a estudante que se encontra a estudar no Reino Unido e é filha de um conhecido político romeno. A segurança que tem faz com que se sinta confortável para contar a sua história, mas explica que muitos colegas seus – fãs do influencer - dizem que as suas declarações são "completas mentiras".

"Há muitos jovens da minha idade que o idolatram, isto é um grande problema. Não podemos acordar daqui a 20 anos com dois milhões de Andrew Tates", diz à BCC.

Se por um lado é certo que falar com outras pessoas não constituiu crime, por outro o discurso usado por Tate nos seus cursos online lança dúvidas sobre as suas intensões. Na Internet, o famoso chegou a afirmar que "nunca namoraria" com uma mulher que tivesse mais de 25 anos e assumiu que o seu trabalho passava por "conhecer uma rapariga, ir com ela a alguns encontros, dormir com ela e fazer com que se apaixone para que faça tudo o que eu disser".

Explica que as suas relações começam sempre com uma mensagem simples: "És linda". Depois, com o tempo, acaba por atirar um "porque é que eu nunca te vejo, onde é que te andas a esconder?". Tate dá a certeza aos seus alunos de que "99% delas respondem que não se estão a esconder" e ficam ainda mais interessadas.

"Na minha experiência, o que gera intriga e faz com que elas respondam é quando perguntas onde é que elas estão. Outras vezes envio emojis que não fazem sentido para ficarem com interesse, algumas cerejas, uma laranja ou um morango", garantia Tate.

Gabriela, uma outra jovem contactada pela BBC, é o exemplo perfeito desta tática. Um dia recebeu uma mensagem de Tristan (irmão de Andrew) que dizia "tu és linda", mas a jovem explica que também sabia que ele estava a fazer o mesmo com outras amigas.

Chegou a responder às mensagens e até foi convidada para "ir dar uma volta de carro e ir a uma festa", mas nunca aceitou. A conversa terminou abruptamente quando Gabriela decidiu expor Tristan nas suas redes sociais.

Tanto Andrew Tate como o irmão encontram-se detidos na Roménia por suspeitas de participarem num esquema de tráfico de seres humanos, onde recrutavam mulheres em situações precárias a viajarem para Roménia prometendo-lhes uma relação amorosa. Quando chegavam ao condado de Ilfov, acabavam por ser submetidas a atos de violência física e psicológica e forçadas a atuarem para câmaras em troca de dinheiro.

BBC assegura que viu as mensagens trocadas com estas duas jovens e que, as contas de onde foram enviadas pertenciam de facto a Andrew e Tristan Tate antes de serem banidos do Instagram. Porém, ressalvam que não têm forma de saber se as mesmas foram escritas pelos próprios ou por terceiros que com eles trabalhem.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais