Medina pede desculpa pela partilha de dados com a Rússia. "Um erro lamentável que não poderia ter acontecido"

Medina pede desculpa pela partilha de dados com a Rússia. 'Um erro lamentável que não poderia ter acontecido'
Ana Bela Ferreira 10 de junho
As mais lidas

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa prestou esclarecimentos sobre o caso em que a autarquia enviou dados pessoais de manifestantes anti-Putin para a embaixada russa em Lisboa e o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Fernando Medina, pediu desculpa aos promotores da manifestação a favor de Alexei Navalny. "Quero assumir esse pedido de desculpas público por um erro lamentável, que não poderia ter acontecido", frisou Medina. Sublinhou ainda "levo muito a sério o que aqui aconteceu e levo muito a sério o direito à manifestação que foi algo que para nós também demorou muito a conquistar". 

Fernando Medina
Fernando Medina Miguel Baltazar / Jornal de Negócios
O autarca socialista reagiu assim ao caso em que os serviços da câmara partilharam dados pessoais de três organizadores de uma manifestação anti-Putin com a embaixada russa em Lisboa e o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia.

Fernando Medina sublinha o compromisso de que Lisboa seja uma cidade de defesa da democracia e da defesa dos direitos humanos. Lembrando que a posição da cidade, Portugal e da União Europeia tem sido a de defender a causa também defendida pelos promotores da manifestação, ou seja, a livertação do ativista russo Alexei Navalny, detido em janeiro pela Rússia, depois de uma tentativa de envenenamento.

"Este erro resultou de um procedimento burocrático dos serviços, da aplicação de uma regra aplicada para todos os eventos. Recebemos os dados dos organizadores e são enviados para a PSP e o Ministério da Administração Interna e depois para o local onde é realizada a manifestação para que estas entidades possam saber quem são os seus interlocutores e possam preparar o espaço. Ora, este procedimento é normal para o nosso quadro democrático e é aqui que há o erro. Esta informação não podia ter passado nestas circunstâncias para estas entidades."

O presidente da CML lembrou que desde abril deixaram de ser enviados dados para embaixadas e que desde hoje, a CML passará apenas a facultar estes dados com a PSP que "depois se encarregará de fazer a articulação necessária".

Quanto aos pedidos de demissão que foram feitos pela oposição, Medina classifica-os de "aproveitamento político muito simplório, que é mais mostra de desespero do que preocupação de conluio com a Rússia".
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais