Jacinda Ardern diz que não se afasta por insultos sexistas

Jacinda Ardern diz que não se afasta por insultos sexistas
Diogo Barreto 24 de janeiro
As mais lidas

"Quero que saibam que a minha experiência neste trabalho foi a de um enorme amor, empatia e bondade. Foi isso que a grande maioria da Nova Zelândia me mostrou", disse a primeira-ministra neo-zelandesa.

Jacinda Ardern abandona esta semana o cargo de primeira-ministra da Nova Zelânia, dizendo que servir o povo foi "o maior privilégio" da sua vida. Arden deixa o gabinete amanhã, quarta-feira, uma semana depois de ter anunciado a sua demissão.

Jacinda Ardern
Jacinda Ardern Mark Mitchell / POOL / AFP
"Saio daqui com um amor reforçado pela Nova Zelândia e as suas pessoas", começou por dizer Ardern no seu discurso de despedida, proferido nas celebrações do aniversário do profeta Maori Tahupotiki Wiremu Ratana, o fundador da religião Ratana. Este festival marca, de forma informal, o arranque do ano político na Nova Zelândia. Ardern recusou ainda estar a afastar-se devido aos ataques sexistas de que foi alvo enquanto esteve à frente do governo. 

"Quero que saibam que a minha experiência neste trabalho foi a de um enorme amor, empatia e bondade. Foi isso que a grande maioria da Nova Zelândia me mostrou", sublinhou a política que na semana passada partilhou que as crescentes ameaças que sofreu no decorrer dos últimos anos a deixaram num estado de esgotamento. Chegou a haver um homem que publicou um vídeo no YouTube onde alegava ter o direito de "disparar sobre a primeira-ministra" por traição. Paul Buchanan, um ex-funcionário dos serviços secretos neozelandeses afirmou na Rádio Nova Zelândia que Jacinda Ardern precisou de mais seguranças e proteção contínua do que qualquer um dos ex-governantes do país.

À chegada à ilha onde se celebrava o aniversário do profeta, Ardern foi recebida de forma bastante calorosa pelos fiéis - pertence ao partido trabalhista que costuma reunir as simpatias dos seguidores de Ratana, refere o jornal britânico The Guardian -, tendo sido requisitada para fotografias e abraços. Os líderes maori aproveitaram a oportunidade para agradecer o trabalho desenvolvido por Ardern à frente da Nova Zelândia. "Será sempre bem recebida aqui", disse mesmo um dos líderes. 

O próximo primeiro-ministro da Nova Zelândia, Chris Hpikins, prometeu proteger a sua família do que considerou abusos "abomináveis" contra a sua antecessora. Chris Hipkins foi escolhido pelo parlamento para primeiro-ministro no domingo e, no seu discurso, referiu que a sua antecessora foi abusada por uma "pequena minoria que não representa o país", aproveitando ainda para referir que os homens têm a responsabilidade de denunciar a misoginia.

O membro do Partido Trabalhista afirmou entender que enquanto líder passa a ser "propriedade pública" mas garante que a sua família não o é e que vai fazer os possíveis para que os seus filhos tenham uma "vida típica das crianças Kiwis (nome usado vulgarmente para se referir aos neozelandeses)".

Chris Hipkins foi o ministro da resposta à covid-19 e atualmente acumula os cargos de ministro da Educação, ministro da Segurança e ministro da Administração Pública, pelo que aos 44 anos conta com uma vasta experiência política. No final do seu discurso foi aplaudido de pé por muitos dos seus colegas e partilhou um abraço com a sua antecessora, que considerou uma "grande amiga".

A Nova Zelândia vai a votos em outubro. Até lá será liderada por Chris Hipkins.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais