Junta de Arroios pagava água e luz do restaurante preferido da presidente

Junta de Arroios pagava água e luz do restaurante preferido da presidente
Marco Alves 14 de janeiro

Conta da EDP e da EPAL passava os 5 mil euros. Restaurante construiu ainda esplanada coberta sem autorização da câmara. Margarida Martins diz à SÁBADO que sempre pagou refeições.

O La Villa, no Campo Mártires da Pátria, foi inaugurado em julho de 2021 e desde a primeira hora que uma das clientes mais assíduas era a própria presidente da junta de freguesia. Era comum ver Margarida Martins na esplanada do restaurante e o seu Facebook mostra que nesses três meses, desde a inauguração até perder as eleições, em setembro, esteve lá pelo menos 13 vezes: 3, 12, 13, 17, 18 e 29 de julho; 14, 20, 30 e 31 de agosto; 3, 10 e 15 de setembro.

Durante esses meses, quem pagava as contas da água e luz do La Villa era a própria junta de freguesia liderada por Margarida Martins. Quando o assunto foi detetado pelo novo executivo, em outubro, a conta passava já os 5 mil euros. Questionada pela SÁBADO se se passava neste restaurante algo parecido com o relatado no mercado 31 de janeiro, a ex-autarca (através de um email enviado pelo seu advogado, Ricardo Sá Fernandes) respondeu que “pagou sempre as suas contas” no restaurante. O mesmo referiu-nos um dos donos, o albanês Klodjan Taçi (o outro sócio é o português David Marques do Carmo, que não respondeu aos emails nem aos telefonemas para a sua empresa Construções – David Carmo).

Se o contrato do restaurante com a junta (disponível no portal Base) é explícito quanto a quem pagava os consumos (o La Villa), o que é que aconteceu? “Não tínhamos número de porta, a câmara não deu”, diz Klodjan Taçi, que acrescenta que os contadores eram da junta e que tentou resolver o assunto no tempo de Margarida Martins.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais