Russiagate: Câmara de Lisboa multada em mais de 1,2 milhões de euros

SÁBADO , Lusa 14 de janeiro
As mais lidas

A Comissão de Proteção de Dados multou a autarquia no caso da divulgação de informação sobre ativistas com a Embaixada da Rússia. Autarquia já reagiu: "É uma herança pesada".

A Câmara Municipal de Lisboa foi multada em 1,2 milhões de euros por ter partilhado dados de ativistas russos com a embaixada daquele país. A multa foi aplicada pela Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), avança a SIC.

Cofina Media
A autarquia da capital, então presidida pelo socialista Fernando Medina partilhou dados pessoas de ativistas russos, que se manifestaram em Lisboa contra o regime de Vladimir Putin e a favor da libertação dos opositores do presidente russo. O caso ficou conhecido como Russiagate, mas uma autitoria mostrou que a Câmara partilhou dados com embaixadas da China, Israel ou Venezuela.

A Câmara Municipal da capital, que agora é presidida por Carlos Moedas (PSD), já veio considerar que esta é uma "herança pesada". "Esta decisão é uma herança pesada que a anterior liderança da Câmara Municipal de Lisboa deixa aos lisboetas e que coloca em causa opções e apoios sociais previstos no orçamento agora apresentado. Vamos avaliar em pormenor esta multa e qual a melhor forma de protegermos os interesses dos munícipes e da instituição.".

A CNPD tinha já anunciado em julho de 2021 -- quando a autarquia era ainda liderada pelo socialista Fernando Medina - a identificação de 225 contraordenações nas comunicações feitas pelo município no âmbito de manifestações, comícios ou desfiles.

O processo foi aberto devido a uma participação - que deu entrada na CNPD em 19 de março de 2021 - relativa à comunicação à embaixada da Rússia em Portugal e ao Ministério dos Negócios Estrangeiros russo de dados pessoais dos promotores de uma manifestação realizada junto à embaixada.

Segundo o projeto de deliberação da CNPD, então conhecido, 111 contraordenações dizem respeito à comunicação de dados a terceiros e 111 são relativas à difusão de informações para serviços e gabinetes municipais, existindo ainda uma comunicação que viola o "direito de informação", outra que põe em causa o princípio da limitação da conservação de dados e, por fim, uma contraordenação por ausência da avaliação de impacto sobre a proteção de dados.

A coima relativa à contraordenação pela ausência da avaliação do impacto sobre a proteção de dados poderia atingir 10 milhões de euros, enquanto as restantes 224 poderiam ir, cada uma, até aos 20 milhões de euros.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais