Autárquicas: anúncio de Silvano lança confusão no PSD

Autárquicas: anúncio de Silvano lança confusão no PSD
Margarida Davim 04 de março
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 21 a 27 de outubro
As mais lidas

Há candidatos anunciados que não foram aprovados pelas estruturas locais do partido, há quem se queixe de ter sido apanhado de surpresa e até nomes aprovados que não foram divulgados.

Salvador Malheiro foi o primeiro a revelar que a sua recandidatura à Câmara de Ovar tinha sido anunciada sem o seu conhecimento. Mas o vice-presidente, que também tem a pasta da coordenação autárquica no PSD, não foi o único a ser apanhado desprevenido.

MIGUEL A. LOPES/LUSA
Foram várias as distritais em que os nomes lançados por Silvano causaram estranheza. Mas mais estranheza ainda causou o timing. Concelhias e distritais foram apanhadas de surpresa e algumas só entre quarta-feira (ontem) e quinta-feira (hoje) estão a regularizar o processo dos candidatos anunciados.

O princípio de que todos os autarcas eleitos pelo PSD em condições de se recandidatarem teriam luz verde da nacional pode ter gerado equívocos, que não foram desfeitos porque concelhias e distritais não foram ouvidas nem avisadas antes do anúncio feito pela direção de Rui Rio.

Em Satão (Viseu) o anúncio de candidatura feito por José Silvano na quarta-feira foi mesmo desmentido poucas horas depois pelo suposto candidato aos microfones da TSF.

"Estranho porque não fui abordado nesse sentido e estou convencido também que será pelo facto de eu ter condições para poder ser candidato uma vez que só fiz um mandato. No entanto, não sou candidato ao poder executivo", disse Paulo Santos, revelando que haverá outro nome a ser trabalhado pela concelhia.

Em Oleiros, Castelo Branco, o presidente da Câmara Fernando Marques disse mesmo à Lusa considerar "um abuso de confiança " ver a sua recandidatura anunciada sem que ninguém o tenha contactado para a confirmar.

À SÁBADO, o presidente da distrital de Castelo Branco, Luís Santos, prefere ler como "voto de confiança" nos autarcas eleitos este anúncio. Mas admite que os três nomes avançados esta quarta-feira para Oleiros, Vila de Rei e Fundão não tinham ainda sido aprovados pela distrital.

"Temos estado a trabalhar com o cronograma definido pela comissão política nacional. Não temos nenhum candidato aprovado", afirma Luís Santos.

Os tabus
Em Aveiro, tal como em Ovar, a candidatura anunciada pelo secretário-geral do PSD deu lugar a um tabu. Se Salvador Malheiro deixou claro ainda não ter fechada decisão de voltar a ser candidato a Ovar, Ribau Esteves deixou também tudo em aberto em Aveiro.

"Foi com muito gosto que recebi esse anúncio, que assumo como importante para a minha decisão pessoal, que tomarei proximamente, no âmbito da reflexão que tenho em curso (sim ou não à recandidatura), sendo que a decisão que vou tomar será anunciada publicamente e em tempo devido e oportuno, ‘na hora e no momento que desejar’, como referiu o secretário-geral do PSD, no caso de ser a recandidatura", disse Ribau Esteves.

Benjamim Pereira, presidente da Câmara de Esposende, também foi ao Facebook esclarecer que não é ainda candidato. "Quero dizer, frontalmente, que não sou recandidato à Camara Municipal de Esposende", escreveu numa publicação na qual elenca " alguns aspetos prévios" que pretende analisar antes de decidir se avança ou não. " Deste modo, e após avaliação destes aspetos, tomarei a minha decisão no tempo que entender adequado e certo, tornando-a então pública", avisa.

Caras e Caros Esposendenses Foram hoje apresentados alguns candidatos do PSD às próximas eleições autárquicas pelo...

Publicado por Benjamim Pereira em Quarta-feira, 3 de março de 2021


Estruturas que estavam a guardar reserva metem o turbo
As indicações que até agora tinham sido dadas às concelhias e distritais precisamente por José Silvano eram para ter o processo fechado apenas no final de março e evitar ao máximo fugas de informação sobre nomes.

"Nem levei candidatos a aprovação para não haver fugas de informação", diz o líder de uma distrital laranja, aonde até já há "candidatos alinhavados", mas se atrasou a convocação de plenários para os aprovar "para respeitar a nacional".

Depois de Silvano atirar 100 nomes para a praça pública, apressou-se o processo. Esta quarta-feira à noite houve reunião da concelhia de Cascais para aprovar o nome de Carlos Carreiras, que a direção anunciou que voltará a ser candidato sem ter antes o processo articulado com o autarca.

Esta quinta-feira, o processo para Cascais deverá ficar formalizado num plenário da distrital, que deverá também aprovar o nome de Carlos Moedas para Lisboa.

Na distrital do Porto, pelo menos um dos cinco nomes apresentados (Póvoa, Penafiel, Trofa, Maia e Amarante) também ainda não ter cumprido todo o processo previsto nos estatutos do PSD, segundo o qual as concelhias indicam o candidato, as distritais aprovam e a nacional homóloga. 

Contactado pela SÁBADO, o líder da distrital do Porto, Alberto Machado, limitou-se a responder já ter "quatro nomes aprovados a nível distrital com mais um a caminho nos próximos dias". Sem esclarecer de que nome se trata vincou que em todos os casos o processo não está concluído. "Ainda falta a homologação da nacional", vincou, explicando que "até lá não são candidatos".

Machado acredita, contudo, que estes nomes "serão homologados na próxima quarta-feira".

Nomes na gaveta
Há também candidatos aprovados por concelhias e distritais que não foram já anunciados. É o caso de Pombal, Alvaiázere e Ansião, por exemplo, que não constam do lote apresentado por José Silvano, apesar de reunirem condições para o ser.

Silvano, que disse aos jornalistas, não entender a confusão gerada, deverá fazer nova apresentação de nomes até ao final de março e desvaloriza polémicas.

"O PSD apresentou 100 candidatos: 77 são presidentes de câmara que podem recandidatar-se e 23 eram novos candidatos", explicou aos jornalistas, vincando que a ideia era que estes autarcas "só em condições excecionais é que não seriam homologados pela comissão política nacional e não seriam candidatos".

"À estrutura nacional só chegaram, pelas estruturas locais, quatro presidentes de câmara com vontade de não se recandidatarem. Não tinha conhecimento da, se é que ela existe, não-vontade do presidente [da câmara de Sátão] de não se recandidatar. Mas também não é drama nenhum", disse sobre o autarca que pôs de lado a hipótese de uma recandidatura no distrito de Viseu.

Só três mulheres
Foi também notado no partido que, entre os 100 primeiros nomes avançados para as autárquicas, só estejam três mulheres.

Maria do Céu Quintas, candidata à Câmara de Freixo de Espada à Cinta, Maria Helena Oliveira, para Cantanhede, e Cristina Ferreira para Penedono são para já as únicas candidaturas no feminino.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais