A conexão espanhola ao hacker que roubou os emails do Benfica

Eduardo Dâmaso , Nuno Tiago Pinto 15 de setembro de 2018

Há três anos que a Polícia Judiciária investiga o roubo de informação confidencial dos clubes de futebol. Até agora chegaram a um suspeito.

A investigação do Ministério Público e da Polícia Judiciária à fuga de informação sobre dados dos clubes passou a contar, em determinada altura, com o interesse das autoridades espanholas. A Fiscalia, autoridade equivalente ao Ministério Público português, detectou, a partir de contactos entre as polícias dos dois lados da fronteira, que a técnica usada para atacar os clubes portugueses era a mesma que a utilizada em Espanha, onde o Real Madrid e várias empresas de investimento e intermediação de jogadores tinham sido atacados e alvo de extorsão por parte de um pirata informático e de um advogado.

As autoridades judiciárias espanholas chegaram a pedir a cooperação portuguesa para obter todos os endereços de IP (internet protocol) associados a Rui Pinto  e foram feitas reuniões conjuntas na Europol para serem ultimados os aspectos legais e operacionais de uma carta rogatória a enviar para a Hungria. Chegou a estar na forja uma operação internacional conjunta dos três países – que nunca avançou.

Mesmo assim, apurou a SÁBADO, as autoridades espanholas conseguiram ter um conhecimento quase completo da investigação portuguesa. Em Espanha, muitos dos processos fiscais recentes a estrelas do futebol como Cristiano Ronaldo e José Mourinho foram impulsionados pelas revelações do Football Leaks. No reverso da medalha, há participações de pessoas, organizações e clubes que viram os seus segredos na praça pública.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais