CGD: Paulo Rangel exige demissão do secretário de Estado

Cátia Andrea Costa , Lusa 24 de novembro de 2016
As mais lidas

Eurodeputado social-democrata considera que "só resta" ao secretário de Estado do Tesouro e das Finanças "assumir as consequências políticas" das reuniões do presidente da CGD em Bruxelas

O eurodeputado social-democrata Paulo Rangel defendeu esta quinta-feira que "só resta" ao secretário de Estado do Tesouro e das Finanças "assumir as consequências políticas" das reuniões do presidente da Caixa Geral de Depósitos em Bruxelas quando ainda era quadro do BPI.

Nuno Veiga/Lusa

 

Numa publicação colocada ao final da manhã na sua página na rede social Facebook, o líder da delegação do PSD ao Parlamento Europeu sustenta que, "perante o reconhecimento público feito pelo Secretário de Estado Adjunto, do Tesouro e Finanças de que o Governo português mandatou um administrador de um banco privado para negociar o futuro da Caixa Geral de Depósitos", só lhe resta um caminho, sugerindo implicitamente a sua demissão.


 

"Creio que só resta ao responsável que o Governo designou para gerir esta pasta, o Secretário de Estado Ricardo Mourinho Félix, assumir as consequências políticas deste ato que é totalmente contrário à transparência, à ética republicana e é revelador da enorme falta de consideração que este Governo tem pelos contribuintes", escreveu Rangel, antes de deixar Estrasburgo, onde participou numa sessão plenária do Parlamento Europeu, rumo a Portugal.

 

A Comissão Europeia confirmou na quarta-feira ter-se reunido com o actual presidente da CGD para debater a recapitalização do banco quando este ainda não tinha sido nomeado para o cargo, e pertencia aos quadros do BPI.

 

Em resposta a uma questão do eurodeputado José Manuel Fernandes (PSD), a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, salientou que "o novo plano de actividades para a CGD foi apresentado à comissão pelas autoridades portuguesas, que também consideraram necessário que o então futuro conselho de administração da CGD (que, entretanto, foi nomeado) participasse em algumas das reuniões e fosse informado sobre requisitos em matéria de auxílios estatais."

 

A comissária, segundo a resposta a que a Lusa teve acesso, disse "ter sido contactada pelas autoridades portuguesas pela primeira vez em Abril de 2016" sobre uma nova recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

 

A comissária adiantou que "compete às autoridades nacionais decidir quem deve estar presente ao seu lado nas reuniões".

 

António Domingues só a 31 de agosto assumiu funções como presidente da CGD, tendo renunciado ao cargo que mantinha no conselho de administração do BPI a 30 de Junho.

 

Já na manhã desta quinta-feira, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, disse que se impõe ao Governo, e nomeadamente ao primeiro-ministro, um "esclarecimento urgente" sobre os encontros do presidente da Caixa Geral de Depósitos em Bruxelas quando ainda era quadro do BPI.

 

"As instituições da União Europeia estão a dar mais informações que o Governo e a administração" da Caixa Geral de Depósitos (CGD), afirmou o líder da bancada social-democrata em conferência de imprensa no parlamento, instando o Governo e António Costa a prestar esclarecimentos.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais