Plantação de olival coloca em risco uma das mais antigas pontes romanas do país

Plantação de olival coloca em risco uma das mais antigas pontes romanas do país
Diogo Camilo 17 de setembro de 2018

Considerada monumento nacional em 1967 e com 120 metros de comprimento, a ponte situada no concelho de Cuba fazia a ligação de Beja e Faro a Évora. Agora é posta em causa por uma empresa que instalou equipamentos de rega através de furos nos seus pilares.

A plantação de um olival superintensivo está a destruir uma ponte romana que atravessa a ribeira de Odivelas na freguesia de Vila Ruiva, concelho de Cuba, Alentejo. Ao jornal Público, o presidente do município alentejano, João Português, admitiu que as intervenções na estrutura de dois mil anos foram feitas sem o conhecimento da autarquia e "poderão pôr em causa a integridade arquitectónica e patrimonial do imóvel" que é considerado monumento nacional desde 1967.

Os proprietários na área do regadio do Alqueva justificam a danificação destas estruturas de património arqueológico com a movimentação do solo para plantar culturas intensivas. O alerta foi dado por Raul Amaro, presidente da União de Freguesias de Vila Ruiva e Albergaria dos Fusos, que denunciou a realização de obras "sem licença junto à ponte romana".

O olival superintensivo em causa é da responsabilidade da empresa Herdade das Rosas – Sociedade Agro-Pecuária Unipessoal, Lda, que instalou equipamentos para uma rede de rega através de furos em pilares da ponte e realizou ainda transporte através de camiões – algo proibido no local e uma situação que o presidente municipal considera "muito grave".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais