Mega Ferreira: Simpatia & União

Mega Ferreira: Simpatia & União
João Pedro George 08 de abril de 2019

"Há nas relações entre estes indivíduos – tudo rapazes finos e sérios – assunto para discorrer bastante". Segunda parte do ensaio de João Pedro George sobre algumas ligações na Cultura portuguesa


Depois de condignamente apresentada a fábrica de encher chouriços de António Mega Ferreira, falemos no que importa: o facto de proliferarem, na Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM), as colaborações de Mega, parente do director da sua Unidade de Publicações, constitui fundamento necessário e suficiente para curar de saber se, no passado, os caminhos de António Mega Ferreira (o tio) e de Duarte Azinheira (o sobrinho) também se cruzavam, sobrepunham, confundiam. Para os colocar cara a cara, identificando os pontos de contacto entre ambos, para saber se existem indícios que nos levem a presumir que os dois são entidades que operam unidas, ou seja, se é rica de sentido a aproximação entre estes dois homens. Por exemplo, como é que Duarte Azinheira chegou ao que é? Será que o material genético dos Mega Ferreira lhe tem favorecido a sobrevivência? Tratando-se da editora do Estado, escrutinar e pesar tais relações de interdependência é um dever que se impõe.

Submeter a intensidade das ligações entre Mega Ferreira e Duarte Azinheira à ponderação dos factos tem as suas complexidades, exige algum esforço de investigação, é preciso passar algumas semanas a estudar os feitos e obras de ambos, mas, em compensação, dá-nos a oportunidade de ver o que são relações ternas e generosas entre um tio e um sobrinho, mas também entre meia dúzia de amigos que organizam e exploram o cultural negócio.

Antes de ir mais longe, uma advertência aos leitores: as informações, dados e factos aqui coligidos estão disponíveis na Internet e podem ser verificados ou postos à prova. Requer algum investimento de tempo, deixa-nos com os nervos escangalhados, mas é um trabalho a todos acessível, que não implica nenhum talento específico (excepto, talvez, paciência de tijolo).

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais