Itália proíbe não vacinados de irem a cinemas, restaurantes e discotecas

Itália proíbe não vacinados de irem a cinemas, restaurantes e discotecas
Diogo Camilo 25 de novembro
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 1 a 7 de dezembro
As mais lidas

Governo italiano impôs ainda a vacinação obrigatória para professores, funcionários de escolas, polícias e militares para combater o aumento do número de casos.

A Itália apertou esta quarta-feira o cerco a pessoas que recusam a vacina contra a covid-19, reforçando a utilização do seu certificado sanitário durante a época do Natal e excluindo não-vacinados de concertos ou eventos desportivos de maneira a conter o aumento de casos de covid-19.

Itália Covid-19
Itália Covid-19 Reuters

Segundo as novas regras italianas, que entram em vigor no dia 6 de dezembro, as pessoas que não receberam a vacina contra a covid-19 não poderão ainda ir ao cinema, a restaurantes, discotecas ou festas.

"Vemos que a situação nos países fronteiriços é muito séria e observamos que a situação em Itália está a piorar de maneira gradual, mas constante", disse o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, após a divulgação do comunicado que anunciou as medidas. "Queremos ser muito prudentes para salvaguardar o que os italianos alcançaram no último ano."

Com as medidas, a Itália alarga também a obrigatoriedade de vacinação além dos profissionais de saúde: professores e funcionários de escolas, polícias e militares serão obrigados a receberem a vacina a partir do dia 15 de dezembro.

A dose de reforço da vacina, atualmente disponível para os maiores de 40 anos, será disponibilizada a todos os maiores de 18 anos.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Investigação
Opinião Ver mais