Bruxelas propõe regras mais estritas para publicidade política 'online'

Lusa 25 de novembro
As mais lidas

As regras hoje propostas por Bruxelas exigem designadamente que qualquer publicidade política seja claramente rotulada como tal e inclua informações tais como quem a pagou e quanto.

A Comissão Europeia apresentou esta quinta-feira uma série de propostas legislativas com vista a garantir a transparência e integridade dos processos eleitorais na União Europeia, incluindo regras mais estritas sobre a publicidade política 'online' e o seu financiamento.

Direitos Reservados
As regras hoje propostas por Bruxelas exigem designadamente que qualquer publicidade política seja claramente rotulada como tal e inclua informações tais como quem a pagou e quanto, argumentando o executivo comunitário que, "com a transição digital em curso, as pessoas devem ser capazes de distinguir facilmente se estão a olhar para conteúdos políticos pagos", sobretudo digitais, e "devem claramente ver quem os financiou e porquê".

Segundo o executivo comunitário, com a implementação das novas regras, as técnicas de direcionamento e amplificação política terão de passar a ser explicadas publicamente "com um detalhe sem precedentes", e será proibida a utilização de dados pessoais sensíveis sem o consentimento explícito do indivíduo.

"As eleições não devem ser um concurso de métodos opacos e não transparentes. As pessoas devem saber por que estão a ver um anúncio, quem pagou por ele, quanto, que critérios de determinação de alvos oram utilizados. As novas tecnologias devem ser ferramentas para a emancipação, não para a manipulação. Esta proposta ambiciosa trará um nível sem precedentes de transparência às campanhas políticas e limitará as técnicas opacas", comentou a vice-presidente para os Valores e Transparência, Vera Jourova.

De acordo com a proposta da Comissão, os Estados-Membros deverão introduzir "medidas eficazes, proporcionais e multas dissuasivas quando as regras de transparência da publicidade política são infringidas" e "as autoridades nacionais de proteção de dados deverão controlar especificamente a utilização de dados pessoais na orientação política e têm o poder de impor multas em conformidade com as regras de proteção de dados da UE".

No início do mês, a comissária Jourova já antecipara, em Lisboa, à margem da Web Summit, que a Comissão iria apresentar esta semana um novo quadro legislativo destinado a "pôr ordem no mundo da publicidade política 'online'", para pôr cobro a "uma corrida desenfreada de métodos sujos e opacos".

"Os dados sensíveis que decidimos partilhar com os nossos amigos nas redes sociais não devem ser utilizados para nos visar para fins políticos [...] Quero que esta legislação abranja toda a cadeia de produção de publicidade, e não se trata apenas do Facebook ou Google, trata-se de empresas como a Cambridge Analytica, o setor da publicidade tecnológica e outras", apontou a comissária.

A Comissão também propôs hoje uma atualização das regras comunitárias relativas aos "cidadãos móveis" da UE e ao seu direito de voto na Europa e eleições municipais, bem como sobre partidos políticos e fundações europeias.