OE2021: Setor dos ginásios classifica proposta como uma "mão cheia de nada"

Lusa 29 de outubro de 2020
As mais lidas

"Muitos clubes já fecharam, outros podem estar em vias de fechar e esta é uma medida urgente, sob pena de muitas pessoas irem parar ao desemprego", diz a AGAP.

A AGAP - Portugal Activo, associação que representa o setor dos ginásios, considera que a proposta de Orçamento do Estado para 2021 apresentada pelo Governo é "demagógica e insipiente".

Ginásios
Ginásios

O presidente da AGAP - Portugal Activo, José Carlos Reis, diz em comunicado que a possibilidade de os portugueses abaterem em sede de IRS até 15% dos 23% de IVA gasto em clubes de 'fitness' ou ginásios não corresponde ao que o setor solicitou ao executivo e que, na prática, se traduz numa "mão cheia de nada".

"Esta proposta é manifestamente insuficiente para levar mais cidadãos a aderir ao exercício físico, uma vez que representa que cada cidadão possa abater meia dúzia de euros no seu IRS anual. O exercício vale muito mais do que isso e uma medida destas não vai levar ninguém a praticar exercício. O Governo diz que um dos objetivos é que em 2030 Portugal seja um dos países com maiores índices de atividade física e depois tem medidas destas. Não se percebe", lamenta José Carlos Reis, explicando que a associação defende a dedução em IRS das despesas que as famílias têm com exercício físico.

"Isso sim era promotor de mais exercício físico e um sinal de que o exercício é vital para a saúde", frisa José Carlos Reis.

Outra medida que o setor tem ainda esperança que possa entrar no Orçamento do Estado, que vai agora ser negociado em sede de especialidade, é a baixa do IVA de 23%, alegando que está em causa a sobrevivência da atividade.

"Muitos clubes já fecharam, outros podem estar em vias de fechar e esta é uma medida urgente, sob pena de muitas pessoas irem parar ao desemprego", sublinha.

Por outro lado, a AGAP considera que a situação de "extrema dificuldade" vivida no setor decorrente da pandemia de covid-19 merece medidas específicas e pede a criação de linhas de crédito específicas para os clubes de fitness e saúde, com 50% do valor financiado a fundo perdido.

"Tal permitiria que muitos dos clubes que passam por dificuldades financeiras não fechem portas e lancem para o desemprego um número muito significativo dos seus milhares de trabalhadores. Trata-se, assim, de uma medida essencial e estruturante para a sobrevivência deste setor de grande relevância para a saúde dos portugueses", conclui José Carlos Reis.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Investigação
Opinião Ver mais