Hong Kong: Penas de prisão para nove ativistas que participaram em vigília por Tiananmen

Lusa 15 de setembro
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 15 a 21 de setembro
As mais lidas

A condenação surge dias depois de os três principais líderes da associação que organizava a vigília anual em Hong Kong em memória de Tiananmen terem sido acusados de incitamento à subversão.

Nove figuras do movimento pró-democracia de Hong Kong foram esta quarta-feira condenadas a penas entre seis e 10 meses de prisão pela participação numa vigília em memória do massacre de Tiananmen, no ano passado, proibida pela polícia.

REUTERS/Tyrone Siu
Três acusados receberam pena suspensa pela participação num encontro ilegal ou por incitarem outros a participar.

A condenação surge dias depois de os três principais líderes da associação que organizava a vigília anual em Hong Kong em memória de Tiananmen terem sido acusados de incitamento à subversão.

Na sexta-feira, as autoridades judiciais apresentaram acusações de incitamento à subversão contra a organização Aliança de Hong Kong (HKA), contra o presidente Lee Cheuk-yan e os vice-presidentes Albert Ho e Chow Hang-tung, detido dois dias antes.

Além disso, a polícia anunciou o congelamento de 2,2 milhões de dólares de Hong Kong (239 mil euros) pertencentes à HKA.

Durante três décadas, a Aliança de Hong Kong reuniu dezenas de milhares de pessoas num parque, no dia 04 de junho, para uma vigília à luz das velas, em memória das vítimas do massacre de Tiananmen, em 1989, com slogans apelando à democracia na China.

Nos últimos dois anos, as vigílias foram proibidas, com as autoridades a invocarem a pandemia de coronavírus e ameaças à segurança nacional.

Um total de 26 ativistas são visados por terem participado na vigília de 2020.

Dois deles, Nathan Law e Sunny Cheung, fugiram da cidade, procurando obter exílio no estrangeiro, antes da primeira comparência do grupo em tribunal, em setembro de 2020.

Joshua Wong, Lester Shum, Tiffany Yuen e Janelle Leung foram condenados a penas de prisão no início deste ano por terem participado na vigília.

Os restantes oito arguidos, que se declararam inocentes, comparecerão no tribunal em novembro.

Em 09 de setembro, a polícia confiscou vários materiais do Museu 4 de Junho, encerrado há meses e dedicado à memória do massacre de Tiananmen.

Em maio do ano passado, na sequência das manifestações antigovernamentais que tomaram as ruas da região administrativa especial chinesa em 2019, Pequim aprovou a Lei de Segurança Nacional de Hong Kong, que prevê penas de prisão perpétua para casos de secessão, terrorismo ou conluio com forças estrangeiras, entre outros.