Autárquicas

Rio e Moreira: toda a história de um casamento de conveniência que só podia acabar mal

Rio e Moreira: toda a história de um casamento de conveniência que só podia acabar mal
Margarida Davim 03 de março de 2021

Partilham o primeiro nome, a formação na Escola Alemã, a área política e até alguns amigos. Mas o que Rui Rio e Rui Moreira têm em comum fica-se por aí. A história dos dois é feita de tensões e desencontros, com uma aproximação por interesse que acabou num afastamento ainda maior e uma tentativa de acordo que desembocou na rutura definitiva.

Os dois Ruis têm quase a mesma idade e ainda se cruzaram na Escola Alemã, no Porto, antes de Moreira rumar ao Liceu Garcia de Orta para aí fazer o quinto ano. Mas entre os dois havia um mundo de diferença que o tempo só veio acentuar. Rui Moreira fazia parte da burguesia tradicional da Foz, Rui Rio vivia na Boavista. Há 45 anos, isso tinha significado. "Não havia convívio, por distanciamento de casta", explica um antigo colega de escola, que descreve Moreira como "um betinho da Foz" e "tudo aquilo que Rio não era".

Não se pense, contudo, que Rio vem de famílias com dificuldades económicas. "O avô tinha fortuna e a família tinha um palacete nas Antas", nota um social-democrata do Porto, admitindo que "Rio não fazia parte da elite da sociedade portuense da Foz" e que o percurso familiar de ambos afastava-os. "Os pais de Rui Rio separaram-se. O pai era de um estrato social mais elevado e Rio ficou a viver com a mãe. Já Moreira vem de uma das famílias mais importantes do Porto. Tudo isto numa sociedade muito estratificada".

Se isso não bastasse, os feitios cavariam outro fosso. "Rio é frugal, não gosta de festas sociais e não é liberal. Moreira é um liberal burguês puro", comenta a mesma fonte.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais