Preço dos vegetais na prisão de Monsanto leva recluso a chamar Marcelo

Preço dos vegetais na prisão de Monsanto leva recluso a chamar Marcelo
Alexandre R. Malhado 12 de dezembro de 2018

E se uma alface custasse €41,60 o quilo? No Estabelecimento Prisional de Monsanto, os vegetais estão em máquinas de vending e são caros. Um recluso enviou uma carta ao Presidente da República a desvendar o "abuso dos preços". Direcção-Geral dos Serviços Prisionais diz que não controlam o preço.

"Vai-se de avião de Lisboa a Paris mais barato do que 1 quilo de alface no Estabelecimento Prisional de Monsanto." É desta forma que um recluso terminou uma carta, enviada à SÁBADO, que pretende desvendar o "abuso dos preços" na cadeia de alta segurança de Monsanto.

A alface custa 41,60 euros o quilo (kg), o tomate está a 10,20 €/kg e a cenoura a 25 €/kg, preços absurdos em comparação com os encontrados em supermercados, onde estes produtos costumam estar a menos de 1,50 €/kg. Quem revela à SÁBADO o preçário é José Vegele, a cumprir uma sentença de 10 anos por uma burla na venda de um prédio. O esquema foi coordenado com a sua mãe de 90 anos, a reclusa mais velha de Portugal.

"Estes preços mostram o respeito que a direcção tem pelos reclusos e como só se respeita a quem se dá ao respeito", começou por escrever o recluso. "A discrepância é tanta que um recluso que trabalha no final do mês não consegue comprar 1 quilo desses 3 produtos dado que o trabalho aqui no Estabelecimento Prisional de Monsanto parece trabalho forçado como no Bangladesh. Aqui trabalha-se 5 ou 6 dias por semana (...) e recebe-se €60 por mês, 10% do salário mínimo nacional e trabalham o dia todo", descreveu.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais