Montenegro diz que grupo de combate à corrupção vem "tarde e a más horas"

Lusa 06 de dezembro de 2019
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 25 de fevereiro a 3 de março
As mais lidas

"Mais vale pouco que nada, mas isto é muito pouco", defendeu o candidato à liderança do PSD.

O candidato à liderança do PSD Luís Montenegro considerou na quinta-feira que a criação de um grupo de trabalho para definir uma estratégia nacional de combate à corrupção, decidida em Conselho de Ministros, vem tarde e a más horas.

Luís Montenegro
Luís Montenegro JOSÉ COELHO/LUSA

"Mais vale pouco que nada, mas isto é muito pouco", afirmou Luís Montenegro sobre a aprovação, em Conselho de Ministros, da criação de um grupo de trabalho para definir uma "estratégia nacional, global e integrada de combate à corrupção".

Para o candidato à liderança do PSD "é difícil de explicar" que a medida tenha sido tomada "quatro anos depois de o Governo do PS e de este primeiro-ministro [António Costa] ter tomado posse".

Por isso, "vem tarde e a más horas" a criação do grupo que ficará na dependência direta da ministra da Justiça e que envolverá a participação de diferentes entidades e profissionais, de acordo com as informações prestadas pelo secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, André Moz Caldas.

Informações "muito vagas" que, no entender de Montenegro, não passam de "um sinalizar muito simbólico".

Sem discordar que se melhorem "os instrumentos legislativos", Luís Montenegro considera, no entanto, que o maior problema em termos de combate à corrupção é a "falta de dotação de meios para equipas de investigação", essas sim, uma "prioridade".

"Tenho alguma dúvida de que o país precise de mais leis", vincou, sublinhado que o país e as "entidades investigatórias precisam é de mais meios para levar a cabo o trabalho de execução das leis", concluiu.

Luís Montenegro falava nas Caldas da Rainha antes de entrar para uma ação distrital de apresentação da sua candidatura, no Centro Cultural e de Congressos (CCC).

O candidato às eleições diretas do PSD, marcadas para 11 de janeiro, conta entre os apoiantes com autarcas e dirigentes locais e distritais do partido.

Após escolhido o presidente do partido em diretas, o congresso do PSD realiza-se entre 07 e 09 de fevereiro, em Viana do Castelo.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais