Estado continua a falhar às crianças na Saúde

Estado continua a falhar às crianças na Saúde
Diogo Barreto 05 de dezembro de 2018

Relatório do Conselho Nacional de Saúde aponta falhas à protecção social de crianças pelo Estado. Faltam médicos de família, apoio psicológico e os menores apresentam o maior risco de pobreza.

As crianças são uma das franjas mais frágeis da sociedade e o Estado continua a não fazer o suficiente para as proteger ou garantir a sua segurança. São as crianças o grupo etário com maior risco de pobreza e há dezenas de milhares que continuam sem ter acesso a médicos de família, apesar do Estado ter definido que todas teriam direito a um.

São estas as conclusões do Conselho Nacional de Saúde, que num relatório refere ainda que continua a existir pouco apoio psicológico a crianças e jovens e que as escolas não estão a fazer o suficiente para limitar o acesso a alimentos não saudáveis.

O relatório do Conselho Nacional de Saúde, a que a SÁBADO teve acesso, intitulado "Gerações Mais Saudáveis" analisa as políticas públicas de protecção e promoção da saúde das crianças e jovens até aos 18 anos, em Portugal.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais