Bolsonaro: "Polícia de Moro preocupou-se mais com Marielle do que com o seu chefe supremo"

C.A.C. 24 de abril de 2020

Presidente do Brasil diz que não tem que pedir "autorização a ninguém para trocar qualquer um que esteja na pirâmide hierárquica do poder executivo" e rejeita acusações do ministro da Justiça demissionário de intromissão na vida judicial do país.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, não deixou as acusações de Sérgio Moro, que apresentou esta sexta-feira demissão do cargo de ministro da Justiça, sem resposta. Em conferência de imprensa, o chefe de estado brasileiro defendeu que não tem que pedir autorização a ninguém para mudar qualquer diretor da Polícia Federal, da mesma maneira que acusou o antigo ministro - e um dos seus mais próximos colaboradores - de se preocupar mais com a morte de Marielle Franco do que com o seu chefe surpremo, ou seja, o próprio Bolsonaro. Na base do afastamento, está a demissão do ex-chefe da Polícia Federal do país, Maurício Leite Valeixo, definida pelo líder do Palácio Planalto.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais