Algoritmos do YouTube estão a desinformar milhões sobre o clima

Lusa 17 de janeiro de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 21 a 27 de janeiro
As mais lidas

Investigação concluiu que 16% de vídeos que aparecem quando se pesquisa por “aquecimento global” continham informações erradas.

Os algoritmos do Youtube estão a encaminhar milhões de utilizadores de vídeos de empresas para a desinformação sobre as alterações climáticas, através de serviços de publicidade ‘online’, de acordo com uma investigação da comunidade virtual norte-americana Avaaz.

O YouTube já tem versão portuguesa
O YouTube já tem versão portuguesa Sábado

A organização não-governamental (ONG) analisou os vídeos que o Youtube recomenda quando os utilizadores pesquisam por "aquecimento global", "alterações climáticas" ou "manipulação climática".

A base da investigação foram as sugestões de vídeos e a barra abaixo da janela de reprodução da plataforma em dispositivos móveis e no lado direito do monitor dos computadores.

"O Youtube é a maior plataforma de transmissão [de vídeos] do mundo e está a encaminhar milhões de pessoas à desinformação climática. Não se trata de um discurso livre, trata-se de uma publicidade gratuita", atentou a ativista da Avaaz Julie Deruy.

A Avaaz indica que o Youtube promove mais vídeos do que aqueles que são vistos pelos utilizadores.

De acordo com o relatório da Avaaz, 16% dos 100 vídeos analisados relacionados com "aquecimento global" continham informações erradas, numa média de um milhão de visualizações por vídeo.

O estudo revelou ainda que 21% da pesquisa pela expressão "manipulação climática" é incorreta, bem como 8% da informação sobre "alterações climáticas".

"É apenas a ponta do 'iceberg', uma vez que as recomendações do algoritmo do YouTube são responsáveis por cerca de 70% do tempo total que as pessoas passam na plataforma", anota a o relatório da investigação.

A Avaaz encontrou mais de 100 empresas com publicidade de informação climática falsa nos vídeos.

Samsung, L’Oreal, Deacthlon, Carrefour, WWF, Greenpeace Espanha, Nikin e Ecosia são algumas das empresas visadas que desconheciam a inclusão de anúncios falsos nos seus vídeos.

Segundo a Avaaz, todas as empresas citadas já pediram ao Youtube para tomar medidas.

No entanto, a ONG fez uma série de recomendações ao Youtube para que "desintoxique" os algoritmos de recomendações e "ponha termo à promoção gratuita de conteúdos falsos".

Citada pela agência EFE, a Avaaz pediu ao Youtube para excluir os vídeos de desinformação sobre alterações climáticas, trabalhando com verificadores independentes para informar os utilizadores da veracidade dos conteúdos, assim como publicar correções.

Por seu turno, o YouTube, em resposta à AFP, garantiu que "os seus sistemas de recomendações não foram projetados para filtrar ou remover vídeos ou canais com base em perspetivas específicas".

A investigação da Avaaz ocorreu entre agosto e dezembro de 2019, tendo analisado dados da Alemanha, Brasil, Espanha, Estados Unidos, França e Reino Unido.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais