Bem-estar

Como viver com ansiedade e ser feliz

Como viver com ansiedade e ser feliz
Susana Lúcio 03 de março de 2021

Dos novos medicamentos que prometem tratamento em 24 horas às técnicas usadas por astronautas, passando pelos animais de companhia e estímulos magnéticos. Saiba como enfrentar a doença muitas vezes incompreendida por médicos e familiares.

O coração bate acelerado e parece que vai saltar do peito. O calor do corpo aumenta e perde-se o equilíbrio com tonturas. Depois torna-se difícil respirar e todos os sinais apontam para uma conclusão aterradora: vamos morrer. Mariana Lemos já sentiu medo deste medo. "Estava de férias em Barcelona com os meus pais e um amigo", conta à SÁBADO. Os sintomas interromperam o retorno ao hotel e só passaram quando a mãe chegou vinda de outra parte da cidade. "Ela é a minha pessoa de segurança. Ao pé dela sei que nada vai correr mal".

A ansiedade é uma emoção natural humana que surge como reação àquilo que o cérebro perceciona como um perigo iminente. É um sistema de alerta que induz o ser humano a fugir ou a lutar. O problema surge quando esta emoção se manifesta de forma desproporcionada. "Há perturbações emocionais em que a ansiedade se ativa sem perigo real", explica o psiquiatra e psicoterapeuta Serafim Carvalho.Quando este medo se repete várias vezes sem ser tratado, a ansiedade pode evoluir para uma doença e pode levar à depressão.

"Os doentes ficam desmoralizados porque os sintomas não são valorizados pelos médicos", explica o psiquiatra. "E os que sentem pânico, em que os sintomas são físicos, pensam que têm uma doença grave", continua. O medo paralisa e isola como pessoas em casa. Sentem-se incapazes, fracas e podem desenvolver uma tristeza profunda que afeta todas as pequenas tarefas do dia a dia. "A depressão é uma doença recorrente, vem por episódios e cada episódio torna mais difícil o tratamento." O primeiro episódio acontece entre os 20 e os 30 anos de idade. "Se não for tratada, ao fim do quinto episódio em 40% dos casos a pessoa não recupera."
 
Cerca de 300 milhões de pessoas em todo o Mundo encontrou de algum tipo de perturbação de ansiedade e outros tantos de depressão, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). "São doenças que aparecem muitas vezes juntas", salientea o psiquiatra Serafim Carvalho.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais