PSD cria comissão de reflexão sobre o futuro do partido

Lusa 24 de outubro de 2018
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 24 a 30 de novembro
As mais lidas

A decisão foi anunciada pelo líder, Rui Rio, e a comissão criada irá fazer uma reflexão de fundo sobre o funcionamento do partido e do sistema político do país.

O PSD vai nomear uma comissão presidida por Pedro Rodrigues para fazer uma reflexão de fundo sobre o funcionamento do partido e do sistema político do país, anunciou hoje o seu presidente, Rui Rio.

Rui Rio, presidente do PSD
Rui Rio
Rui Rio, presidente do PSD
Rui Rio
"Entendemos que devemos fazer uma reflexão de fundo sobre a forma como um partido político deve funcionar hoje, que tem que ser seguramente diferente do que era há 40, 50 ou 60 anos atrás", afirmou Rui Rio, em Santarém, no final de uma reunião da Comissão Política Nacional, onde anunciou a criação de uma comissão para esse efeito.

Atendendo à "crise" que considera viver-se no sistema partidário português, "com uma distância enorme dos portugueses relativamente aos partidos políticos", Rui Rio defendeu que "os partidos têm de se adaptar", incluindo o PSD.

Para tal, nomeará "uma comissão que vai ao longo de mais de um ano, e em paralelo com a atividade do partido, refletir sobre como é que um partido político deve funcionar hoje", numa sociedade "completamente diferente daquela que tínhamos em 1974".

A comissão será presidida por Pedro Rodrigues, antigo líder da Juventude Social Democrata (JSD) e terá um conselho consultivo presidido por Francisco Pinto Balsemão, que "aceitou desempenhar esta tarefa" que Rio disse ser "fundamental para o futuro do sistema político e em particular do sistema partidário português".

A reflexão não retirará ao PSD o foco "nas eleições europeias e legislativas" afirmou o líder do partido que "em paralelo" realizará "conferências, reuniões com independentes, do PSD e de outros partidos".

O objetivo é, concluiu Rui Rio, "dentro de um ano e meio estar em condições de fazer uma revisão estatutária que seja um reflexo daquilo que é um novo funcionamento de um partido político em Portugal".

Nesta reunião da Comissão Política Nacional, o partido decidiu também "por unanimidade" votar contra o Orçamento do Estado (OE) para 2019 proposto pelo Governo.

Além das razões já anunciadas em conferência de imprensa, Rui Rio fundamentou a decisão com o facto de "agora pretenderem que a Assembleia da República aprove um défice de 975 milhões de euros, quando dizem que ele é só de 375 milhões".

"Naturalmente que documentos assim não são confiáveis", afirmou Rui Rio, para quem o OE2019 "não tem um rumo" sendo "um conjunto avulso de medidas de acordo com aquilo que são os desejos do Bloco de Esquerda, do PCP e do próprio PS num cenário de eleições em 2019".

A reunião da Comissão Política Nacional antecedeu uma reunião com militantes do distrito de Santarém.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais