Prisão preventiva para cinco dos oito novos arguidos de Tancos

Lusa 19 de dezembro de 2018
As mais lidas

O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa aplicou prisão preventiva para cinco dos oito detidos na segunda-feira no âmbito do processo das armas de Tancos, e três vão sair em liberdade.

O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa aplicou hoje prisão preventiva para cinco dos oito detidos na segunda-feira no âmbito do processo das armas de Tancos, e três vão sair em liberdade, informou à Lusa um dos advogados.

Tancos
Tancos, militar, PJ militar
Amigos juntam-se para travar PJ no caso do furto em Tancos
inspetor da PJM, Núcleo de Investigação Criminal, Tancos
Tancos
Tancos, militar, PJ militar
Amigos juntam-se para travar PJ no caso do furto em Tancos
inspetor da PJM, Núcleo de Investigação Criminal, Tancos
Carlos Melo Alves disse que, dos arguidos que saem em liberdade, dois estão sujeitos a termo de identidade de residência e um fica proibido de se ausentar do país ou contactar com outros arguidos.

"Estão indiciados por participar no furto de Tancos, embora nenhum esteja indiciado por terrorismo internacional", afirmou o advogado de dois arguidos, dos quais um fica em prisão preventiva e outro sai em liberdade.

A Polícia Judiciária deteve na segunda-feira oito pessoas e realizou dezenas de buscas na zona Centro e Sul do país no âmbito do caso Tancos, por suspeitas de crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico armas.

Em comunicado, a Polícia Judiciária (PJ) adiantou que esta operação decorre de um inquérito na qual se investigam as circunstâncias em que ocorreu o furto de material de guerra, entre a noite do dia 27 e a madrugada do dia 28 de Junho de 2017, no Paiol de Tancos.

Em causa estão factos susceptíveis de integrarem crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico de armas, terrorismo internacional e tráfico de estupefacientes.

Na operação com o nome "Operação Húbris II" participaram três magistrados do Ministério Público e 85 investigadores e o inquérito corre termos no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP).

O Ministério Público é coadjuvado pela Unidade Nacional Contra Terrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária, que conta com a colaboração de diversas unidades da PJ.

O furto do material militar, entre granadas, explosivos e munições, dos paióis de Tancos foi noticiado em 29 de Junho de 2017.

O caso do furto de armas em Tancos ganhou importantes desenvolvimentos em 2018, tendo sido detidos, numa operação do MP e da PJ, sete militares da Polícia Judiciária Militar (PJM) e da GNR, suspeitos de terem forjado a recuperação do material em conivência com o presumível autor do roubo.

Entre os detidos está o director da PJM e um civil (que já foi militar), principal suspeito da prática do furto, encontrando-se ambos em prisão preventiva, num caso que levou à demissão de Azeredo Lopes do cargo de ministro da Defesa e cujas implicações políticas levaram à criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, que ainda não começou com as audições.

Em setembro, após a investigação do Ministério Público à recuperação do material furtado, designada "Operação Húbris", que levou às detenções, foi anunciada pelo CDS a comissão de inquérito, aprovada apenas com a abstenção do PCP e do PEV.

A comissão tem o prazo de 180 dias, até maio de 2019, prorrogável por mais 90, para chegar a conclusões.

A comissão de inquérito ao furto de material de militar de Tancos vai reunir-se duas vezes por semana e começa as audições às 63 personalidades em janeiro.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais