Juíza sobrinha de Ana Gomes colocada no Tribunal Central

Leonor Riso , António José Vilela 17 de janeiro de 2020

Mariana Gomes Machado trabalhará apenas no processo AIMinho, com 126 arguidos, cuja instrução já se arrasta desde o verão do ano passado. O tribunal dos poderosos tem agora cinco juízes em funções.

Mariana Gomes Sousa Machado, juíza e sobrinha da ex-eurodeputada Ana Gomes, foi a solução encontrada pelo Conselho Superior de Magistratura (CSM) para acelerar o megaprocesso da AIMinho. A juíza trabalhará com Conceição Moreno na instrução do caso que conta com  126 arguidos – 79 pessoas singulares e 47 empresas - acusados num esquema de fraude com fundos europeus. 

Contudo, Gomes Machado não ficará nas instalações do TCIC, ao lado de Ivo Rosa ou Carlos Alexandre: passará a ter um gabinete separado no Campus de Justiça, em Lisboa. A SÁBADO apurou que a juíza foi colocada pelo CSM em acumulação de funções.

Conceição Moreno foi colocada no "Ticão" desde o passado verão. O processo AIMinho versa sobre uma fraude no valor de quase 700 mil euros para a construção do edifício do Instituto Empresarial do Minho (IEMinho), em Vila Verde. Agora, Moreno conta com Sousa Machado para a ajudar na fase de instrução, que derrapou. Por não haver arguidos detidos, as regras ditam que a decisão sobre se o caso vai ou não a julgamento não deve demorar mais que quatro meses, mas os prazos são meramente indicativos. Porém, o processo já foi distribuído no TCIC a 3 de julho de 2019 - há mais de seis meses. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais