Ana Gomes defende regresso dos filhos de jihadistas a Portugal

Ana Gomes defende regresso dos filhos de jihadistas a Portugal
Nuno Tiago Pinto 23 de dezembro de 2019

Ex-eurodeputada foi chamada a prestar declarações no processo dos oito portugueses acusados por terrorismo. Também a chefe das secretas, Graça Mira Gomes, foi ouvida no inquérito.

Rómulo Costa, o único dos oito acusados de terrorismo que se encontra detido em Monsanto, indicou como testemunhas a Secretária-Geral do Sistema de Informações da República Portuguesa, a embaixadora Graça Mira Gomes e a antiga eurodeputada socialista Ana Gomes. De acordo com o suspeito de adesão, recrutamento e financiamento para o Estado Islâmico, ambas teriam manifestado a sua disponibilidade para o ajudar a repatriar para Portugal os filhos dos seus irmãos, que se encontram em campos de refugiados na Síria. 

Seria esse um dos motivos da sua vinda a Portugal. Reunir-se com determinadas entidades, "designadamente com a Cruz Vermelha Portuguesa, com a Diretora dos Serviços de Informações da República Portuguesa, com a Eurodeputada Ana Gomes e com pessoas do Ministério da Administração Interna", de acordo com o que disse nas declarações prestadas à Polícia Judiciária a 9 de outubro.

Suspeito de terrorismo preso em Monsanto: "Nunca apoiei o EI"

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais