Jihadista foi denunciada pela mãe

Jihadista foi denunciada pela mãe
Nuno Tiago Pinto 02 de junho

A Holanda pediu a Portugal dados sobre Ângela Barreto e os seus dois maridos. A mãe da terrorista avisou a polícia que a filha ia viajar para a Síria.

É a mais surpreendente revelação da Decisão Europeia de Investigação (DEI) enviada pelas autoridades holandesas ao Ministério Público (MP) português em que são pedidas informações sobre a jihadista Ângela Barreto e os seus dois maridos, Fábio Poças e Nero Saraiva: um mês antes da partida da jihadista lusodescendente para a Síria, em agosto de 2014, a mãe de Ângela Barreto avisou a polícia holandesa de que a filha tencionava viajar para o califado do autoproclamado Estado Islâmico (EI). Não se sabe se o alerta foi levado a sério, mas a verdade é que, ainda assim, a jovem conseguiu sair do país rumo à Turquia e atravessar a fronteira para a Síria.

A informação consta das 24 páginas da DEI remetida a Portugal em fevereiro - à qual a SÁBADO teve acesso através de uma investigação conjunta com o jornal holandês De Telegraaf - e que se destina a obter dados que possam ser usados no processo pelo qual a jihadista lusodescendente está a responder no MP de Roterdão. Em causa estão os crimes de adesão a organização terrorista e preparação de atos terroristas.

De acordo com o documento, em julho de 2014, preocupada com o comportamento da filha, Paula D. avisou a polícia de que Ângela estava em contacto pela Internet com um português chamado Abdurahman Al Andalus (Fábio Poças) e que pretendia viajar para a Síria. A progenitora forneceu até o número de telemóvel utilizado pelo jihadista.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais