Eduardo Cabrita ainda pode ser acusado

Eduardo Cabrita ainda pode ser acusado
Sara Capelo 09 de dezembro de 2021

Advogado da família está a ponderar abrir instrução para avançar criminalmente contra o ex-governante. Pedido cível já é certo.

Marco Pontes é o único acusado no acidente que matou Nuno Santos, que fazia a limpeza das bermas na A6, a 18 de junho. O motorista incorre no crime de homicídio negligente, mas o advogado da família da vítima está a ponderar pedir a abertura de instrução com o objetivo de ver deduzida acusação também contra Eduardo Cabrita, o então ministro da Administração Interna que era transportado no BMW acidentado entre Portalegre e Lisboa.

“Em princípio, o ministro Cabrita é responsável criminalmente. Estou a ponderar pedir a abertura da instrução”, revelou à SÁBADO José Joaquim Barros, ainda que não tenha “determinado completamente a minha vontade”. Os prazos judiciais dão ao advogado 20 dias para apresentar este pedido, o que com as férias judiciais lhe permitirá ainda algumas semanas de ponderação.

Ora, o que é para já certo para José Joaquim Barros é que o agora ex-ministro da Administração Interna será um dos demandados no pedido de uma indemnização cível que será exigida durante o julgamento criminal. “É evidente que o Estado é responsável civilmente. Tenho desmentido até o próprio primeiro-ministro: a responsabilidade civil é da entidade que tem a direção efetiva do veículo, neste caso, o Estado através, obviamente, do senhor ex-ministro Cabrita, que se deslocou em serviço a Portalegre.” O pedido cível, refere o advogado, será deduzido “contra o motorista, o ministro, e o Estado”.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais