DIAP investiga decisão polémica de Manuel Salgado

DIAP investiga decisão polémica de Manuel Salgado
Margarida Davim 13 de setembro de 2018

O processo da torre da Fontes Pereira de Melo está sob investigação do Ministério Público, mas não há ainda arguidos constituídos no caso.

"Foi localizado no DIAP de Lisboa um inquérito que se encontra em investigação relacionado com a designada Torre de Picoas", informou fonte oficial da Procuradoria-Geral da República, depois de questionada pela SÁBADO sobre a polémica em torno de um licenciamento na avenida Fontes Pereira de Melo, em Lisboa.
 
A mesma fonte adianta que o processo "não tem arguidos constituídos".
 
Em causa está o processo de licenciamento da chamada torre de Picoas, decidido pelo vereador do Urbanismo Manuel Salgado e que tem sido muito questionado.
 
De resto, em entrevista ao semanário SOL no passado sábado, o antigo vereador da Câmara de Lisboa Fernando Nunes da Silva, defendia estar-se perante um "caso de polícia" e garantia ter documentos que indicam que Manuel Salgado não terá prestado toda a informação ao antigo proprietário do terreno que, pensando que não poderia avançar com um índice de construção que tornasse o seu investimento rentável, acabou por o vender por um euro ao grupo BES.
 
Armando Martins, que foi proprietário do terreno na Fontes Pereira de Melo durante vários anos pretendia construir 20 mil metros quadrados e questionou a Câmara de Lisboa para perceber se poderia avançar.
 
Manuel Salgado informou o promotor de que poderia  construir até 12 mil metros se o espaço fosse destinado a escritórios ou 14 mil metros quadrados se construísse habitação, invocando o PDM em vigor à data.

Sem conseguir fazer face às dúvidas acumuladas, Armando Martins vendeu o terreno ao BES, junto de quem se tinha financiado, por um euro. 

Meses depois, foram autorizados 24 mil metros quadrados de construção por ter sido aprovado um novo PDM que o permitia.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação