Covid-19: Secretária de Estado do Turismo acredita em "muitos congressos e eventos" este ano

Lusa 23 de junho de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 25 de fevereiro a 3 de março
As mais lidas

A secretária de Estado realçou que o turismo "é um motor de criação de riqueza em Portugal", destacando a importância da confiança e do cumprimento das regras sanitárias.

A secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, considerou hoje que "até ao final do ano" há condições para ter "muitos eventos e congressos" em Portugal, durante uma intervenção num 'webinar'.

Rita Marques
Rita Marques Lusa

O evento, organizado pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESTHE), reuniu a governante com vários dos seus antecessores na pasta.

Rita Marques adiantou que o segmento dos eventos e congressos foi alvo de "especial preocupação" no Plano de Estabilização Económica e Social (PEES), aprovado pelo Governo para responder este ano à crise provocada pela pandemia da covid-19.

"Estou convencida de que até ao final do ano teremos muitos eventos e congressos", assegurou, recordando medidas fiscais, como a devolução aos organizadores de congressos, feiras, exposições, seminários, conferências e similares de um montante equivalente ao IVA, financiado pelo Turismo de Portugal, até seis milhões de euros, de acordo com o PEES.

A secretária de Estado realçou que o turismo "é um motor de criação de riqueza em Portugal", destacando a importância da confiança e do cumprimento das regras sanitárias, o que, vincou, será "privilegiado pelos turistas" que visitem o país.

Rita Marques apelou ainda aos operadores para serem flexíveis nas reservas, salientando que esta questão representará uma "proposta de valor" na sua atividade.

A secretária de Estado defendeu também que "2021, se tudo correr como previsto, será um ano novamente de crescimento".

Bernardo Trindade, antigo detentor da pasta do Turismo e administrador do grupo PortoBay, foi mais pessimista.

"Só no final de 2021, início de 2022 é que acho que podemos ter níveis semelhantes [de turismo] aos que tínhamos antes", referiu, durante o mesmo 'webinar'.

Para o gestor, o 'lay-off' simplificado foi a medida mais importante para manter o emprego no setor.

"Muitas vezes, para os empresários, a primeira medida é despedir", reconheceu, salientando que esta medida ajudou as empresas e que no grupo PortoBay os últimos meses foram dedicados à formação.

Por sua vez, Adolfo Mesquita Nunes, que foi também secretário de Estado do Turismo, alertou para a imprevisibilidade do atual cenário.

"Estamos num momento em que não sabemos de facto com o que é que podemos contar e é muito difícil, até para quem está no Governo, definir políticas públicas", referiu, apelando à "preservação de um setor empresarial que é muito atomizado".

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 472 mil mortos, incluindo 1.540 em Portugal.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Opinião Ver mais