Covid-19: PCPpede reforço dos transportes e SNS

Lusa 23 de junho de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 4 a 10 de março
As mais lidas

"Existe a necessidade de avaliar a situação e ir para o terreno, perseguir os focos, e simultaneamente resolver o problema dos transportes públicos", defende Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou hoje não se opor às novas medidas restritivas para combater a covid-19 na Área Metropolitana de Lisboa (AML), mas defendeu um reforço dos transportes públicos e das unidades de saúde pública.

Jerónimo de Sousa
Jerónimo de Sousa Lusa

No final de uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o líder comunista disse que o partido "acompanha" os esforços decididos na reunião entre o primeiro-ministro, António Costa, e cinco autarcas da AML.

"Existe a necessidade de avaliar a situação e ir para o terreno, perseguir os focos, e simultaneamente resolver o problema dos transportes públicos", defendeu Jerónimo de Sousa, considerando esta última medida fundamental, já que a maioria das populações afetadas têm de se deslocar para o trabalho desta forma.

Quanto às medidas que entraram hoje em vigor na AML, que passam por exemplo pela proibição de ajuntamentos superiores a dez pessoas ou o encerramento de todos os estabelecimentos (exceto restaurantes) a partir das 20:00, o PCP não se oporá.

"Estas medidas encontradas ontem, enfim, não estamos contra", afirmou, insistindo na importância de "perseguir" os focos e reforçar as unidades de saúde pública e dizendo não considerar necessário qualquer cerca sanitária na região.

No final de uma audiência de cerca de hora e meia, em que esteve acompanhado PELO líder parlamentar do PCP João Oliveira, o secretário-geral comunista salientou a preocupação do partido com as consequências da pandemia na vida de "centenas de milhares ou mesmo milhões de portugueses".

Em concreto, Jerónimo de Sousa manifestou-se contra os cortes nos salários no âmbito da medida de 'lay-off' e defendeu a necessidade de alargar a proteção social em situação de desemprego.

"É preciso responder com medidas concretas aos trabalhadores do setor da saúde - não basta aplaudir -, das forças de segurança e da proteção civil", defendeu ainda.

O líder do PCP chamou a atenção que, com a chegada da época dos incêndios, será ainda mais urgente olhar para a "situação dramática" de muitos bombeiros.

"Sem reforço de financiamento, não estarão em condições de dar a resposta que se vai exigir", alertou, dizendo ter transmitido essa preocupação ao chefe de Estado.

Portugal regista hoje mais seis mortos relacionados com a covid-19 do que na segunda-feira e mais 345 infetados, 87% dos quais na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Os dados da DGS indicam 1.540 mortes relacionadas com a covid-19 e 39.737 casos confirmados desde o início da pandemia.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Investigação
Opinião Ver mais