Como José Veiga "denunciou" Rui Rangel

O processo por suspeitas de corrupção contra o ex-juiz desembargador começou, em fevereiro de 2016, quando outro juiz, Carlos Alexandre, decidiu ser direto com José Veiga: "Qual era o objectivo deste encontro com o senhor desembargador Rui Manuel Freitas Rangel?"


A relação entre José Veiga e Rui Rangel foi detetada durante uma vigilância policial na investigação do processo "Rota do Atlântico" - caso que envolve suspeitas de corrupção no comércio internacional e branqueamento de capitais com origem em negócio de petróleo no Congo. Estavam os inspetores da PJ a acompanhar os passos de Veiga e do seu sócio, Paulo Santana Lopes, quando os dois foram apanhados, à porta do Hotel Ritz, em Lisboa (a 2 de outubro de 2015), com o então juiz desembargador Rui Rangel que, assinalou a Polícia Judiciária no relatório final da Operação Lex, a que a SÁBADO teve acesso, chegou ao encontro ao volante de um "BMW, modelo X6". "Tal facto, demonstrativo de relação entre indivíduos que não teriam quaisquer negócios em comum(…) suscitou suspeitas sobre a natureza de tal encontro, bem como da existência de eventuais benefícios auferidos pelo Magistrado, proporcionados por José Veiga".

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais