Em África, ficar em casa devido à Covid-19 "é um privilégio"

Lusa 23 de abril de 2020
As mais lidas

A "ideia de que um tamanho serve para todos não funciona porque as realidades são totalmente diferentes", alerta especialista.

O especialista angolano em estudos africanos e políticas sociais Edmilson Ângelo defendeu hoje que as medidas de prevenção e combate à pandemia de covid-19 devem atender aos contextos locais e privilegiar o diálogo e decisões descentralizadas.

Coronavírus
Coronavírus

Em declarações à Lusa, o académico angolano considerou que as medidas que têm sido tomadas deveriam ter em conta as realidades locais: "Essa ideia de que um tamanho serve para todos não funciona porque as realidades são totalmente diferentes. Não é possível fazer um 'hashtag' #fica em casa que não é ajustado à nossa realidade, é preciso fazer um 'hashtag' #fica em casa, mas ajudar também aqueles que não podem ficar em casa".

"Só assim a sociedade civil iria mobilizar-se para uma verdadeira luta em conjunto porque ficar em casa é um privilégio no contexto africano", disse.

O especialista sublinhou que as variáreis de África são totalmente diferentes do Ocidente ou da China, pelo que a estratégia de combate à doença não deve ser replicada em Angola sem ter em conta o contexto regional e a partilha de experiência entre os países africanos.

"Acho que alguns países africanos foram muito rápidos e entenderam que é necessário reagir de maneira especifica ao contexto africano e o Gana é um bom exemplo disso", assinalou.

Angola "tem acompanhado também muito do que a Namíbia está a fazer", acrescentou Edmilson Ângelo.

"Vamos ver qual será a decisão desta sexta feira, se vão reabrir algumas coisas já, porque o país está a reabrir sozinho", frisou.

O Parlamento angolano decide hoje sobre a solicitação do Presidente da República, João Lourenço, para que seja prolongado o estado de emergência, declarado em 27 de março e entretanto prorrogado por mais 15 dias até 25 de abril.  

No âmbito do estado de emergência em Angola, foram adotadas medidas excecionais incluindo encerramento de escolas e comércio não alimentar, encerramento de fronteiras, confinamento e isolamento social.

Nas pesquisas de campo que realizou para analisar as políticas que têm sido implementadas no combate à doença, em particular no setor informal, o académico angolano considerou que está a falhar a inclusão.

"Não estamos a focar-nos nas vulnerabilidades das pessoas que estão no setor informal, estamos a focar apenas nos perigos para as atividades mais sociais, que ocorrem no mercado formal", constatou, afirmando que falta dar respostas em termos de saneamento básico, como promover o distanciamento de forma a que as atividades económicas continuem e como ajudar as pessoas mais vulneráveis a ficar em casa de forma segura.

Pelo contrário: "o discurso tem sido muito centrado em como podemos eliminar os aglomerados nas praças, como fazer com que as pessoas não se juntem no mercado informal, para que nós, a Angola digital, possamos estar mais seguros e manter essas pessoas longe de nós", uma perspetiva que diz ser de exclusão.

As queixas do setor informal, em que atuam cerca de 70% dos trabalhadores angolanos, evidenciam esta realidade e a falta de diálogo e interação com as comunidades locais.

Para o também diretor da ONG britânica Change 1's Life, dirigida ao apoio das vítimas da pobreza e desastres naturais na África subsaariana, "a mensagem não está a chegar onde tem que chegar por que as decisões foram tomadas de maneira muito chinesa, sem olhar para contextos locais com soluções locais", em vez de replicar as estratégias da Organização Mundial de Saúde, da China ou dos países ocidentais.

Entre as medidas excecionais do estado de emergência incluem-se a limitação de horários nos mercados informais, muitos dos quais foram encerrados por não cumprir as regras sanitárias, limitação da venda ambulante a três dias por semana e interdição da circulação e permanência de pessoas na via pública

Além dos horários serem desadequados aos ritmos de venda locais, o facto de ser apenas permitida a venda bens alimentares deixa de fora muitos vendedores que sobrevivem vendendo outro tipo de produtos, notou o especialista, apontando a ausência de um plano concreto para o mercado informal.

"A fome e a pobreza ainda são a prioridade no mercado informal, e não a pandemia", realçou, acrescentando: "são eles que mais estão a sofrer e sentem-se indignados porque até agora todos os casos foram importados e são de cidadãos que vivem em zonas nobres de Luanda".

Angola registou até ao momento 25 casos de infeção pelo novo coronavírus, todos relativos a passageiros provenientes de voos de Portugal, África do Sul e, mais recentemente, Cuba.

 A nível global, segundo um balanço da AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 181 mil mortos e infetou mais de 2,6 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 593.500 doentes foram considerados curados.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais