Coliseu de Roma vai recuperar a arena central até 2023

Lusa 02 de maio
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 13 a 19 de maio
As mais lidas

A área central está atualmente sem cobertura, deixando a céu aberto as galerias subterrâneas que serviam para organizar os espetáculos de gladiadores ou animais neste edifício construído na época imperial, no século I d.C.

O Coliseu de Roma vai recuperar a arena central na qual os gladiadores lutavam na antiguidade no âmbito de um projeto anunciado hoje que permitirá a sua reconstrução até 2023, apostando na sustentabilidade e na tecnologia.

Coliseu Roma
Coliseu Roma Reuters

As autoridades do Parque Arqueológico do Coliseu tinham lançado um concurso para receber projetos que permitissem voltar a dotar o anfiteatro mais famoso do mundo da sua arena.

Atualmente, esta área central está desprovida de uma cobertura, deixando a céu aberto as galerias subterrâneas que serviam para organizar os espetáculos de gladiadores ou animais neste edifício construído na época imperial, no século I d.C.

Dos onze projetos recebidos, o selecionado foi o da firma de Milan Engenharia, anunciou hoje a diretora do Parque, Alfonsina Russo, numa conferência de imprensa com transmissão ‘online’.

A ideia do estudo dos desenhadores passa por cobrir o centro do Anfiteatro Flávio com uma plataforma ligeira de 3.000 metros quadrados de madeira ecossustentável, que poderá mover-se, deixando a descoberto as partes subterrâneas.

Deste modo, será possível, pela primeira vez, passear no centro do Coliseu e vê-lo em toda a sua "majestosidade", como referiu o ministro da Cultura, Dario Franceschini, para quem a escolha deste projeto representa um dia "muito importante".

O Coliseu poderá também acolher eventos culturais que respeitem o seu estado, disse, recusando, porém, a possibilidade de se celebrarem espetáculos na sua nova arena.

Sobre os prazos, Alfonsina Russo explicou que depois da seleção deste projeto, que decorrerá em coordenação com a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), será lançado um concurso público por um limite máximo de 15 milhões de euros com vista a encontrar uma empresa que construa a plataforma.

Acrescentou que as obras devem começar no final deste ano ou no início de 2022, para que a arena esteja concluída em 2023.

A intenção é melhorar a experiência de visita a um monumento que, antes da pandemia, era visitado por 25.000 pessoas por dia, segundo dados de 2019, referiu.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Investigação
Opinião Ver mais