Entrevista

Stella McCartney: “Há um lado negro no mundo da moda”

A estilista britânica, filha de Linda e de Paul McCartney, é a representante do luxo sustentável. Com 49 anos, porta-voz dos direitos dos animais, passou pelas maiores casas de alta-costura, da Gucci à Chloé, até criar a sua marca.

A infância foi dividida entre as maiores estrelas de rock do mundo, o glamour dos espetáculos e a vida rural no Sul de Inglaterra, a andar de cavalo sem sela. Stella McCartney, filha do ex-Beatle e músico, Paul McCartney, e de Linda McCartney, fotógrafa e ativista, nasceu neste cocktail de influências. A designer inglesa, que levou a moda vegan para a alta-costura, e tem uma faturação de cerca de 62 milhões de euros, dedica a sua carreira a lutar pela sustentabilidade e pelos direitos dos animais. Sem nunca deixar de fazer peças sexy.

Fez o primeiro casaco aos 12 anos e desenvolveu a sua primeira coleção de alta-costura com 15 anos, como estagiária de Christian Lacroix. Como soube que queria dedicar a vida a esta indústria?
As primeiras recordações que tenho são de estar sentada no roupeiro da minha mãe e do meu pai, a olhar para a roupa deles. Eles eram do mundo do entretenimento, por isso eu acompanhava-os nas digressões e observava-os a usarem a roupa de espetáculo, mas depois vivíamos numa quinta. Portanto, eram mundos muito contrastantes. Além disso, a minha mãe e o meu pai partilhavam o guarda-roupa.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui