Trabalhadores defendem nacionalização da Galp após distribuição de dividendos

Lusa 24 de abril de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 22 a 28 de abril
As mais lidas

A estrutura acionista da Galp, na qual o Estado tem a segunda maior participação, aprovou a distribuição de 314,7 milhões, depois de, em setembro já ter distribuído a outra tranche de 2019 (262,25 milhões).

Os trabalhadores das refinarias de Sines e de Leça da Palmeira, detidas pela Galp, defenderam a nacionalização do grupo, após os acionistas terem distribuído entre si parte dos dividendos de 2019, numa assembleia realizada esta sexta-feira.

Galp
Galp

A Comissão Central de Trabalhadores da Petrogal (CCT), operadora das refinarias de Sines e de Leça da Palmeira, responsabilizou hoje os acionistas da Galp, entre os quais o Estado, pela distribuição de 314,7 milhões de euros em dividendos, numa fase em que a empresa está "descapitalizada" e que precisa, a seu ver, de passar para a esfera pública.

"A CCT responsabiliza o Governo e os restantes acionistas privados, que determinaram a distribuição de dividendos, pela descapitalização do grupo e parecem estar de acordo com o lema 'Galp must fall' [a Galp deve cair, em português]. A CCT refuta este lema e afirma que a Galp tem de continuar - mas pública", lê-se na nota emitida hoje pela comissão.

Segundo a nota, a nacionalização é a "única forma" de a Galp "continuar a assegurar o papel central que tem na sociedade portuguesa", em face de "uma crise petrolífera sem precedentes", de "uma crise económica que se está a avolumar em consequência da pandemia de covid-19" e da "grande interrogação" sobre as "condições de financiamento da empresa no futuro"

A estrutura acionista da Galp, na qual o Estado tem a segunda maior participação (7,48% através da sociedade Parpública), depois da Amorim Energia (33,34%), aprovou a distribuição de 314,7 milhões, depois de, em setembro, já ter distribuído a outra tranche de 2019 (262,25 milhões).

A CCT considerou que a distribuição de dividendos foi unicamente motivada pela "ganância dos lucros" e demonstrou os "limites e as consequências da privatização da empresa", tendo atribuído a responsabilidade dessas consequências ao atual Governo.

"Este Governo do PS será o principal responsável por tudo o que possa vir acontecer no que diz respeito aos trabalhadores e ao país, no seguimento desta decisão errada", reitera o comunicado.

A comissão lembrou que o Governo, ao dar o "aval à conversão de investimento em dividendos cujo destino será maioritariamente o estrangeiro", recusou o "efeito replicador do investimento produtivo para o país, que o Estado viria a colher mais à frente".

No debate parlamentar de quarta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, mostrou-se favorável à distribuição de dividendos na Galp, tendo dito que o Estado "fica muito satisfeito de vir poder receber a sua quota parte dos dividendos a quem tem direito e que é útil para financiar a atividade do Estado".

No comunicado, os trabalhadores da Petrogal defenderam ainda que o valor distribuído pelos acionistas poderia ter servido para a "estipulação de um preço máximo para os combustíveis", como "forma de alívio às famílias e às empresas".

A Galp já anunciou que a refinaria de Sines vai suspender a atividade a partir de 04 de maio, devido à impossibilidade de "escoar os produtos produzidos".

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais