Elon Musk perdeu a cabeça?

Terá Elon Musk perdido a cabeça?
Vanda Marques 06 de outubro de 2018

O empresário não vai recordar o mês de Agosto com saudades. Ao usar o Twitter para anunciar, sem fundamento, a privatização da empresa, está a ser alvo de uma investigação federal, para além das perdas da Tesla.

Dorme debaixo da secretária, apenas com um saco-cama, sempre que o trabalho assim o exige. Já disse que trabalha 120 horas por semana. Se falarmos de uma semana de cinco dias, dá qualquer coisa como 24 horas diárias, sem pausas para ir à casa de banho ou fazer refeições. Mas como isso é humanamente impossível, deverá estar a falar de semanas de sete dias, o que dá 17 horas por dia. Muitas vezes nem sai da fábrica, nem do escritório. Daí o tal saco-cama dar muito jeito.

Não tira férias de 10 dias seguidos desde 2001. Por pouco não faltava ao casamento do irmão, de quem era o padrinho, tamanha a confusão na empresa. Chegou sôfrego uma hora antes. Passou o seu próprio aniversário fechado no escritório a tentar cumprir prazos de entrega. Aliás, muitas vezes só deixa a secretária para ir arranjar as máquinas na fábrica. Outras vezes passa a noite de domingo na Tesla e voa para Los Angeles (são 350 quilómetros de distância) para uma reunião com os executivos da SpaceX – a sua outra empresa de tecnologia espacial – às 10h da manhã. Quando decide que dormir é uma boa ideia tem contado com a ajuda de ansiolíticos, revela o próprio. Em Janeiro, contou que nem recebe ordenado.

Então o que motiva este homem à beira de um esgotamento? Está apostado em salvar a humanidade. "Ele está focado em fazer algo de bom para o mundo", diz um dos seus investidores. Falamos, claro, de Elon Musk, o milionário norte-americano de 47 anos. Como é que nos vai salvar a todos? Acabando com a dependência dos combustíveis fósseis – ao criar os carros eléctricos da Tesla, a empresa fundada em 2003 por Martin Eberhard e Marc Tarpenning, à qual se juntou Musk pouco depois. E através da SpaceX, a empresa que nos permitirá colonizar o resto do sistema solar, ao criar uma cidade auto-sustentável em Marte. "A intenção fundamental da Tesla, pelo menos a minha motivação, é acelerar o advento da energia sustentável. Foi por isso que não tranquei as patentes, é a única forma", defende Musk. "As alterações climáticas são a maior ameaça que a humanidade enfrenta neste século", contou à Rolling Stone em Novembro passado, num artigo em que era descrito como "o arquitecto do futuro". Mas o milionário parece estar em rota de colisão com a sua própria ambição. Tudo por culpa das decisões precipitadas e o facto de ter um Twitter à mão.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais