Sarampo: Surto está "em fase de controlo"

Lusa 12 de abril de 2018
As mais lidas

A directora-geral da Saúde, Graça Freitas, afirmou hoje que o surto de sarampo está "em fase de controlo" porque "há pessoas em período de incubação".

Doente com sarampo
Sarampo manifesta-se através do aparecimento de manchas no corpo
sarampo, papeira, preocupação, ISN, Inquérito Serológico Nacional, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge
sarampo, saúde, vacinas, surto, vacina, contágio
Doente com sarampo
Sarampo manifesta-se através do aparecimento de manchas no corpo
sarampo, papeira, preocupação, ISN, Inquérito Serológico Nacional, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge
sarampo, saúde, vacinas, surto, vacina, contágio

A directora-geral da Saúde, Graça Freitas, afirmou hoje que o surto de sarampo está "em fase de controlo", mas não controlado, porque "há pessoas em período de incubação".

Graça Freitas disse à Lusa que, face às circunstâncias, o surto poderá ser dado como controlado, "no mínimo, dentro de duas semanas".

A directora-geral da Saúde falava na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, à entrada da "1.ª Conferência Internacional de Emergência Médica".

Segundo Graça Freitas, o número de casos de sarampo confirmados subiu hoje para 107 depois de na quarta-feira ter sido identificado mais um.

A directora-geral da Saúde referiu ainda à Lusa, mas após a sua participação na conferência, que aguarda resultados das análises em curso no Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge para confirmar a suspeita de se tratar dois surtos de sarampo, e não um só, suscitados por "duas linhagens diferentes do vírus", com origens distintas, uma proveniente do espaço europeu e outra fora do espaço europeu.

Graça Freitas espera obter os resultados ao fim de duas semanas, "no mínimo".

De acordo com o mais recente balanço da Direcção-Geral da Saúde (DGS), hoje divulgado, o número de casos de sarampo confirmados subiu para 107, sendo que 24 continuam em investigação pelas autoridades.

Dos 107 casos confirmados, 100 já estão curados.

Ao longo do surto, que maioritariamente infectou pessoas com ligação ao Hospital de Santo António, no Porto, foram ainda analisados 247 casos que se revelaram negativos.

De todos os casos confirmados, nove por cento tinham esquema vacinal incompleto e 14 por cento não estavam vacinados. A maioria dos casos (85 doentes) registou-se em profissionais de saúde.

O vírus do sarampo é transmitido por contacto directo com as gotículas infecciosas ou por propagação no ar quando a pessoa infectada tosse ou espirra.

Os doentes são considerados contagiosos desde quatro dias antes até quatro dias depois do aparecimento da erupção cutânea.

Segundo a DGS, "os sintomas de sarampo aparecem geralmente entre 10 a 12 dias depois da pessoa ser infectada e começam habitualmente com febre, erupção cutânea (progride da cabeça para o tronco e para as extremidades inferiores), tosse, conjuntivite e corrimento nasal".

Existe vacina contra o sarampo no Programa Nacional de Vacinação, que deve ser administrada aos 12 meses e 5 anos de idade.

As pessoas com esquema vacinal completo podem contrair a doença, mas de forma leve e não são veículo de transmissão, de acordo com as autoridades de saúde.

Quem já teve sarampo está imunizado e não voltará a ter a doença.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais