"Fazer a vacina da pneumonia pode ajudar toda a sociedade"

'Fazer a vacina da pneumonia pode ajudar toda a sociedade'
Leonor Riso 16 de setembro de 2020

O pneumologista José Alves acredita que, em tempos de pandemia, a prevenção é mais importante que nunca - apesar de muitos não ligarem a pneumonia à Covid-19.


Por dia, 16 pessoas morrem de pneumonia em Portugal. Por ano, são 5 mil óbitos. Em 2015, a Direção-Geral de Saúde recomendou a vacinação contra a pneumonia pneumocócica – causada por uma bactéria, o pneumococo – a grupos de risco, mas cinco anos depois, a doença não é "levada a sério", alerta o Movimento Doentes pela Vacinação - MOVA. A preocupação deu o mote a uma campanha pela vacinação, protagonizada por Herman José, para quem foi "um orgulho aceitar o nome e a cara a uma causa tão nobre". 


O pneumologista José Alves, presidente da Fundação Portuguesa do Pulmão, falou com a SÁBADO sobre a importância desta vacina, ainda maior em tempos de pandemia de Covid-19.

Por que razão é que as pessoas que integram os grupos de risco não tomam a vacina?
Acredito que há dois tipos de problema: um é o de não estarem informadas e outro é não terem dinheiro. Um dia em que estávamos a promover a vacinação, uma médica perguntava como é que se arranja o dinheiro. Há casos-limite em que as pessoas não têm dinheiro, como os mais idosos… A vacina custa cerca de 50 euros. O Estado depois paga um terço, mas não a todos. O que o Governo pode e deve, na minha opinião e na da Fundação Portuguesa do Pulmão, é pagar a vacina na totalidade aos grupos de risco.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais