Concerto solidário pelo Iémen custou cinco vezes mais do que angariou

Concerto solidário pelo Iémen custou cinco vezes mais do que angariou
Marco Alves 24 de outubro de 2020

Espetáculo era de solidariedade pela catástrofe humanitária do país árabe, mas todos os 10 artistas convidados receberam um cachet pago pela Câmara Municipal de Lisboa.

O concerto intitulado "Juntos pelo Iémen" que decorreu no dia 12 de setembro no Capitólio, em Lisboa (e que será transmitido pela RTP) custou €16.760 à Câmara Municipal de Lisboa (CML), tendo amealhado €3.238 para os Médicos Sem Fronteiras, segundo informou a própria ONG à SÁBADO. Essa receita é fruto da venda de bilhetes e da recolha de donativos.

A organizadora e promotora do evento foi Cláudia Semedo, que além de atriz e apresentadora no Canal Panda, é diretora de um teatro municipal em Lisboa, o Amélia Rey Colaço.

O concerto visava chamar a atenção para a crise humanitária que se vive no Iémen, mas tinha também um objetivo nunca referido: ajudar artistas portugueses. Ou pelo menos ajudar os 10 artistas convidados por Cláudia Semedo: Carlão, Ana Moura, Dino D’Santiago, Branko, Capicua, Chullage, Márcia, Mayra Andrade, Sara Tavares e Selma Uamusse. Cada artista recebeu €1.000 nessa noite. Total: €10.000 pagos pela CML a Cláudia Semedo, que os vai distribuir pelos convidados. A este montante junta-se €6.760 para a produção.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais