Mira. Uma viagem por um rio morto
01 de novembroPaulo Barriga

Mira. Uma viagem por um rio morto

Investigação da SÁBADO, que recorreu a imagens captadas através de drones, revela as consequências de anos seguidos de seca, uma barragem que perde 40% da água, enormes eucaliptais e áreas de rega que não param de crescer. A água desaparece ao longo de 140 km.

Investigação. A morte rápida do Rio Mira
01 de novembroPaulo Barriga

Investigação. A morte rápida do Rio Mira

Anos seguidos de seca, uma barragem que perde 40% da água, enormes eucaliptais e áreas de rega que não param de crescer – assim desaparece a água ao longo de 140 km.

O grande cartão vermelho

São já meia centena os processos que visam o futebol, mas os que podem doer aos clientes que se seguem, de Vieira a Pinto da Costa, são os que estão na mão do procurador Rosário Teixeira e do inspetor tributário Paulo Silva.

Roteiro do mar e do rio: mergulhos em água salgada vs. água doce
09 de junhoRita Bertrand

Roteiro do mar e do rio: mergulhos em água salgada vs. água doce

No interior, há quedas de água refrescantes e praias fluviais com condições privilegiadas, com o apelo da vida no campo bem presente. Na costa imperam as enseadas entre rochas, onde, com um pouco de coragem, é possível fugir às enchentes do verão.

O que é que não viram em Odemira?

O cultivo de frutos vermelhos em estufas tem vindo a provocar um grave dano ambiental, a impor um modelo económico centrado exclusivamente na ganância das empresas produtoras, das de angariação de trabalho e de prestação de serviços, quase todas com sede fora dos concelhos onde laboram.

Dia 30, eu era pequeno nesse dia
22 de abril de 2020Eduardo Dâmaso

Dia 30, eu era pequeno nesse dia

Mais de quatro décadas passadas desse dia em que era pequeno, a minha síntese do 25 de Abril de 1974, como já aqui escrevi, repousa em Salgueiro Maia. É por causa dele que sou um homem de Abril

Gigante dos frutos vermelhos aposta em Portugal
16 de setembro de 2017Maria Espírito Santo

Gigante dos frutos vermelhos aposta em Portugal

A água pura e o clima ameno do Sudoeste Alentejano cativaram a maior produtora mundial de frutos vermelhos, que há 10 anos assentou plantações em Portugal. O negócio continua a crescer: prevêem facturar 49,5 milhões em 2021

A Newsletter As Mais Lidas no seu e-mail
Às Sextas-Feiras não perca as notícias mais lidas da semana