"'Tou-me a cagar, eu quero é ordenado." Ivone arranjou "ordenado"?

É uma das escutas mais conhecidas da operação Tutti-Frutti. Em resposta a Sérgio Azevedo sobre ir “administrar uma merda qualquer”, Ivone Gonçalves disse que só queria "ordenado". Hoje em dia, está na EMEL.

É uma das escutas mais infames do processo Tutti Frutti. Em 2017, Ivone Gonçalves, militante do PSD Loures, disse a Sérgio Azevedo sobre ir “administrar uma merda qualquer”: “Eu ‘tou-me a cagar, eu quero é ordenado.” Ivone não administra, mas tem ordenado na EMEL. Fonte oficial da empresa confirmou à SÁBADO que “é trabalhadora da empresa desde 2007”.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais