Polícia Judiciária faz buscas ao Benfica e ao Santa Clara

Polícia Judiciária faz buscas ao Benfica e ao Santa Clara
António José Vilela 09 de novembro de 2020

Os alvos são as direções das duas sociedades anónimas desportivas dos clubes. Em causa estão dois processos que visam os negócios de três jogadores líbios e suspeitas de corrupção no caso Mala Ciao.


O principal alvo da operação conjunta de buscas do Ministério Público (MP), Polícia Judiciária (PJ) e Autoridade Tributária (AT) são os negócios relacionados com três jogadores líbios: o extremo esquerdo Hamdou Elhouni; o médio defensivo Mohamed Al-Gadi; e o médio ofensivo Muaid Salem Ali, mais conhecido como Muaid Ellafi.

Os três atletas passaram há vários anos pelo clube dos Açores, sendo que o primeiro chegou a ser transferido a 1 de julho de 2016 para o Benfica. O valor da transferência não foi anunciado publicamente e Elhouni acabou logo nesse ano por ser emprestado durante duas épocas ao Chaves. Mais tarde, foi cedido a custo zero pelo Benfica B ao Desportivo das Aves, precisamente um dos clubes alvo do processo Mala Ciao e cujas relações com os encarnados estão sob investigação criminal.

No total, a operação de mais de 20 buscas que está em curso, no âmbito de dois processos tutelados pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (o 425 e o 602, ambos abertos em 2018), visa as instalações da SAD do Santa Clara e do Benfica, mas também empresas e residências particulares, inclusive do presidente do clube dos insulares, o advogado Rui Cordeiro, do administrador e diretor desportivo Diogo Boa Alma e do empresário brasileiro Khaled Ali Mesquita Saleh, que representa o principal acionista particular da SAD do Santa Clara. As buscas decorrem sobretudo em Ponta Delgada, na ilha de S. Miguel, e na região da grande Lisboa.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais