Número de arqueólogos aumentou nas últimas décadas, mas trabalho é precário

Lusa 28 de julho de 2018
As mais lidas

Segundo a vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Arqueologia, a realidade começou a mudar nos anos 1970, tendo-se concretizado a mudança no final dos anos 1980 e até aos anos 1990.

O número de arqueólogos portugueses tem aumentado nas últimas décadas, entre 2010 e 2017 existiam 1.313 no activo, mas 75% trabalham de forma precária, segundo dados da arqueóloga Jacinta Bugalhão, que está a trabalhar no retrato da profissão em Portugal.

Em entrevista à agência Lusa, a vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Arqueologia Jacinta Bugalhão explicou que os dados fazem parte de sua tese de doutoramento na Faculdade de Letras, sob orientação do professor Carlos Fabião, cujos resultados já foram publicados e apresentados no Congresso de Arqueologia, mas que ainda estão em fase de conclusão.

"O meu doutoramento pretende apresentar um estudo sobre a arqueologia portuguesa até à actualidade e tem duas grandes áreas: os trabalhos arqueológicos e a sua evolução e a outra sobre o grupo profissional entre 1900 e a actualidade (2017)", disse.

Jacinta Bugalhão contou que o objectivo é saber quantos são, quem são, qual a sua formação académica, distribuição etária e de género, origem geográfica e a forma de exercício da actividade.

De acordo com a sua tese, no início do século XX existiam apenas 33 arqueólogos, que exerciam a actividade quase que apenas de forma amadora.

"Era uma situação muito embrionária e com muito pouca actividade. Era um país onde os níveis de escolaridade eram baixos. As escavações aconteciam, mas era uma actividade que as pessoas não tinham como profissão. Fazia-se nos tempos livres e era desenvolvido por pessoas que não tinham formação académica. Havia excepções, mas eram uma pequena minoria que tinham o curso de história", disse.

"O grande aumento do número de profissionais ocorreu no final do século XX e início do século XXI. Entre 1990 e 1999 estavam activos 562 arqueólogos e entre 2000 e 2009 eram 1.385. Entre 2010 e 2017 eram 1313", indicou.

No início, indica a arqueóloga, "eram um grupo de elites. Mas a partir dos anos 1990 o grupo massifica-se (...) Teve a ver num primeiro momento com a adesão à União Europeia e a ratificação de uma série de legislação na área do património", disse.

Segundo Jacinta Bugalhão, também o caso Foz Coa veio desencadear mudanças com a promulgação de legislação diferente, com procedimentos diferentes, e a criação do Instituto Português de Arqueologia e de organismos que tinham por objectivo a promoção de procedimentos de arqueologia preventiva.

"Foi quando se deu um aumento. Os arqueólogos passaram a participar nos estudos de impacte ambiental, na generalização das intervenções em arqueologia urbana, ou seja, antes de se fazer obras nas cidades estas tinham de ter acompanhamento arqueológico", frisou.

Além destas mudanças, ao nível da formação também houve um aumento considerável e os arqueólogos ganharam outra visibilidade junto das pessoas.

Contudo, no que diz respeito à forma de exercício da actividade (profissional/amadora), os dados de Jacinta Bugalhão indicam que em 75% dos casos os arqueólogos portugueses trabalham de forma precária.

Os dados da arqueóloga apontam para uma tendência paritária (53% homens e 47% mulheres). Entre 2000 e 2017, a percentagem de mulheres na actividade arqueológica é aproximada à percentagem de população portuguesa feminina com grau académico superior entre 1998 e 2014 (60%).

No que diz respeito à nacionalidade, verificou-se que é constituído por 80% de portugueses e 20% por estrangeiros, sendo que há uma predominância da nacionalidade espanhola.

Os dados apontam também para uma incidência maior de arqueólogos naturais de Lisboa e Vale do Tejo (38%) e no Norte (26%), as regiões mais populosas, com médias etárias entre os 53 e os 31 anos.

Quanto à habilitação académica, entre 1900 e 2017 verificou-se que em 2% dos casos não possuem formação académica superior, em 18% possuem licenciatura, em 52% têm mestrado e em 28% doutoramento.

Relativamente à área científica dos graus académicos superiores (em 1.834 graus apurados), 70% são em arqueologia, 16% em História, 2% em antropologia e Património Cultural, 1% em engenharia, direito, medicina, ciências, Filosofia, estudos religiosos, Museologia, Geologia, Humanidades e Ciências sociais.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais