Listas do PSD: As soluções “a bem e a mal” de Rangel

Listas do PSD: As soluções “a bem e a mal” de Rangel
Margarida Davim 17 de novembro

Rui Rio aprovou cronograma para fazer listas de deputados que põe processo a andar antes das diretas. Mas no núcleo duro de Paulo Rangel tema é visto com “tranquilidade”. Rangelistas acreditam que haverá “bom senso” e até tem plano B previsto.

Rui Rio não quis deixar parado o processo de elaboração das listas de deputados enquanto decorre a disputa interna. Como as candidaturas têm de ser formalizadas até dia 20 de dezembro e o Congresso acabará na véspera desse prazo, a direção de Rio aprovou um calendário que põe em marcha o processo antes de estar definido quem será o líder do partido. A decisão pôs os sociais-democratas a olhar para datas e estatutos para perceber que consequências poderá ter esse cronograma.

Os apoiantes de Rui Rio falam num "sinal de desprendimento" e na importância de não deixar parado um processo complexo. Quem está com Paulo Rangel vê nisto "uma estratégia" para captar votos nas diretas.

Em qualquer caso e, apesar dos problemas logísticos e administrativos que há que vencer, ninguém acredita que poderá ficar em causa a entrega de listas para as legislativas de 30 de janeiro atempadamente.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais