Juíza diz que Sócrates está a fazer tudo para evitar o julgamento

Juíza diz que Sócrates está a fazer tudo para evitar o julgamento
Carlos Rodrigues Lima 14 de outubro

A defesa do antigo primeiro ministro, acusado de falsificação de documentos e branqueamento de capitais, tem inundado o processo com recursos e requerimentos, que instalaram um pequeno caos na Operação Marquês.

A intenção de José Sócrates é só uma: adiar o mais possível o início do julgamento pelos crimes de falsificação de documentos e branqueamento de capitais, tal como o juiz de instrução decidiu.

A conclusão é da juíza Margarida Alves do Juízo Central Criminal de Lisboa, a quem competiria presidir ao julgamento do antigo primeiro-ministro e do seu amigo, o empresário Carlos Santos Silva. Porém, desde a decisão instrutória de 9 de abril, o processo encontra-se num pequeno caos de requerimentos, despachos e recursos que têm adiado o início do julgamento.

O arranque das sessões também não estará para breve, porque uma das últimas polémicas jurídicas diz respeito a um conflito de competência entre a juíza Margarida Alves e o juiz de instrução Ivo Rosa, quando este decidiu enviar para os juízos criminais todo o processo da Operação Marquês e não separar a parte relativa a Santos Silva e a relativa a José Sócrates, como, por exemplo, fez em relação a Ricardo Salgado, Armando Vara e João Perna.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais